Mãe e filho de mãos dadas trilhando os caminhos do autismo/asperger.
Numa partilha intimista e de coração aberto em sonhos e desalentos, numa vida vivida...
Ter um filho asperger não é o fim do mundo, mas o princípio de uma nova vida...
Valorizando os afectos...

sábado, 27 de fevereiro de 2010

Desencontros

Ele acontece nos cada uma, hoje saiu ás 17he30m.
A mãe foi ao cabeleireiro, convencida de que o pai quando viesse do trabalho o ia buscar, era o que supostamente estava combinado.
Mas o pai como a mãe não estava em casa, supôs que a mãe ao vir do cabeleiro o fosse buscar.
E até iria não fosse a cabeleireira deixar-me uma hora com a tinta no cabelo.
Estava descansada que o pai o teria ido buscar.
Ah!... O senhor pai é da época da pré história não usa nem tem telemóvel.
Eis!... senão quando ás 18 horas o Bruno me liga, a dizer: que não o tinham ido buscar, que já estava à espera, há muito tempo. Atónita e sem pensar. Ainda estava a lavar a cabeça.
Disse-lhe para ir ter comigo ao cabeleireiro,e nem me lembrei da chuva e da distância que ele tinha de percorrer.
Caindo na "real", disse à cabeleira para tirar só o excesso.
E rapidamente ponho pés a caminho do carro, sempre a ligar-lhe para o telemóvel para evitar que apanhasse uma molha.
Não me atende, quase meia hora nisto, ligo ainda para o centro de actividades, logo na 2ª. tentativa, na expectativa que estivesse por lá. Como estava a chover, que ele esperasse.
Já estou ao pé do carro, e agora o quê! Que eu faço!?...Não posso andar pelas ruas, nem ir de carro, não faço ideia do percurso que ele fará.
Volto de novo para o cabeleireiro, não tenho outra hipótese, e ao chegar lá. Está ele a ligar me.Claro que eu atendi. Ele tinha 6 chamadas minhas não atendidas.
Têm sempre o telemóvel em modo de silêncio, para não o importunar, só ele poderia ligar...
Quando lhe expliquei, e então se eu também não te atendesse!?...
Arranjou logo uma desculpa, que era para eu não gastar dinheiro, que ele tinha mais saldo!...
Claro que apanhou uma molha, ainda salvou a parte do tronco com o impermeável.
Já estava com saudades de uma "ensopadela"...
E pergunta-me vais escrever sobre isto?!...rsss
Pronto!...Já escrevi :)))

4 comentários:

AVOGI disse...

Mas dá vontade de rir a forma como o bruno não quer que a mãe gaste dinheiro . Bem podia ser ao contrario para ele não gastar. O meu filho nunca tinha saldo e era eu que lhe carregava o tmn. Isso tem razão de ser? a mãe e o pai é que ficam lesados. A solução foi aumentar os carregamentos e "nunca mais me digas que não tens saldo para mim". Lol Mas aqui o seu rapaz faz contas à vida...da mãe te toca a não gastar o saldo...da mãe.

Mina disse...

Loool
Avogi
No caso do meu Bruno ele só liga para mãe kkkk, e claro que é igual ser ele ou ser eu a ligar, arranjou foi uma desculpa "esfarrapada", mas ouviu na mesma rsss
Porque ele pouco liga, quem gasta o saldo dele ás vezes ainda é a mãe, como ele tem tarifário que acumula bonús, o pai ás vezes do trabalho liga p'ro dele.
E então é por isso que ele tem em silêncio para o pai não interromper lool
Já a irmã essa sim tem todas as manhas, tem tarifário fixo, mas nunca dá para a mãe, a não ser p'ro "crava" lool
Mesmo assim com carregamentos extra, a minha filha não teria saldo para a mãe, o ano passdo foi de viagem a Paris, veio com saldo negativo, e para me avisar que tinha chegado teve de ligar do móvel de um amigo... Na travessia de Espanha, gastou logo 20 euros no primeiro dia...Esteve uma semana incontactável... Este ano vai a Londres a ver se aprendeu a lição ou cancelo o rooming
bjocas

AVOGI disse...

O que me ri... Os filhos lembram-se da mãe quando estão em apertos. É uma causa natural todos são assim.A família é um porto seguro. Estão sempre lá no sitio certo para os amparar e desculpar. Ai de nós se levássemos a peito o que eles nos fazem Mas nós seguramos as rédeas. Eu costumava dizer aos meus que eles estavam amarrados a um elástico que eu segurava na ponta. Eles podiam esticar ao máximo mas nunca eu os desprenderia. Estiquem, estiquem o quanto quiserem - dizia eu - até ao máximo, mas de um "puxete" eu puxo-os e vêm ter a mim. Eles riam-se, mas era certo. E hoje em dia eu continuo a segurar as pontas do elástico!

Mina disse...

Avogi
Essa é que essa, mãe está sempre lá, para o que der e vier...
Já com a minha mãe assim era. Sabia que podia sempre contar com ela, mas ela também sempre achou que eu era boa menina rsss, e se lhe perguntassem ela dizia sempre que eu não dava trabalhos lool, era muito mais generosa do que eu sou, mas algumas coisas herdei dela...
Mas massacrei a minha filha com o ela não ter ligado, fiquei magoada, e perdoei, mas não esqueci... Mas estou sempre cá para o que eu poder e eles precisarem...
Bjocas