Mãe e filho de mãos dadas trilhando os caminhos do autismo/asperger.
Numa partilha intimista e de coração aberto em sonhos e desalentos, numa vida vivida...
Ter um filho asperger não é o fim do mundo, mas o princípio de uma nova vida...
Valorizando os afectos...

terça-feira, 27 de junho de 2017

Situações embaraçosas


Não sei do que tenho mais medo!?
Se do pudor e puritanismo de algumas pessoas?
Se da inocência de pessoas com  Síndrome de Asperger?
O telemóvel toca ( não era suposto tocar, muito menos estar nos calções dele), enquanto toma banho , a seguir a uma aula de hidro-ginástica, ainda ensaboado.
 A única preocupação que lhe ocorre, é ir procurar a mãe que está no balneário das senhoras também  a tomar banho, não abre a porta desse balneário. mas abre a porta da sala seca, onde nos vestimos, fica à porta  à espera, que alguém pegue nos calções onde o telemóvel toca.
Não se lembra que está exposto (nu), nem que as outras pessoas estão também elas  nuas embora embrulhadas em toalhas, não repara nem lhe ocorre sequer a nudez, tal a preocupação em ver-se livre daquele ruído.
Uma senhora, que estava  nessa sala seca, que não o viu , nem ele a viu a ela, só de ouvir a senhora que ficou com calções na mão  contar  e que  me os  foi levar  ao chuveiro.
Ficou de tal forma indignada, (que até parecia que espumava).
-Tentei , tranquilizar a senhora, que ele mesmo que visse alguma coisa não era com maldade, que lhe garantia esse pressuposto, e que se fossemos a uma praia  nudista também víamos pessoas nuas, que já me viu nua em algumas situações  , que  nosso corpo não é nada de transcendente.
Não é algo que se expõe gratuitamente, não andamos nus na rua, nem casa, que foi uma situação excepcional,  pela qual peço desculpa à senhora, que não cede perante nenhum dos meus argumentos, e continua a achar um acto criminoso este despropério.
Claro que ele está informado e foi educado, sabe que não pode andar nu em locais públicos, que segundo a lei é um atentado ao pudor, punível criminalmente.
E esta é uma parte que dói ainda mais, conhecendo-o eu, ter de lhe voltar a referir esta norma, tipo chantagem, dizer-lhe que a senhora o tinha ido denunciar, provocar-lhe o medo, para que estas situações não ocorram.
Humildemente o rapaz queria ir entregar-se às autoridades, esta inocência dói muito.
Assim como a incompreensão e puritanismo destas pessoas, que ainda por cima leccionam, que medo, da formação que está a dar aos alunos.

Demasiado íntimo relatar situações, que aos olhos de alguém com Síndrome de Asperger não vê maldade, mas que mundo vê como provocações e má educação.





sexta-feira, 23 de junho de 2017

Carrega nas segundas


O tal "tubarão dos encerramentos" (frase dele).
"Sobrecarregas-me a agenda"( outra frase dele)
"Não tenho nada para fazer à segunda feira" (mais uma frase dele), que contraria a anterior, vá lá a gente entender isto.
Na tentativa de o distrair desta fixação, a tarde de segunda-feira está totalmente  preenchida, e as fatídicas 3 da tarde que só dá telenovelas ( segundo versão dele).
Essa hora está destinada a ir despejar  o nosso eco ponto domestico, que só faz de semana a semana ,para  ocupar um  tempinho.
Observo o  da janela de casa, retira os rótulos das garrafas de água.
Esta semana arranjou mais uma distracção, pôs-se a ler os cupões dos supermercados,
Vou lá ter com ele, deita isso fora, se está aí é porque a mãe não precisa .
-Mas estão na validade refere.
P'ro que lhe havia de dar.

Nota- Também só desfaz a barba às 2ª. feiras

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Pedrogão Grande , vestido de negro


Depois da tragédia, renascer das cinzas
É com profunda consternação e dor, com sentido pesar, pelas famílias enlutadas, que apenas imagino a dor inapagável que estão a sentir neste momento.
Aqueles que perderam os bens materiais desculpem o meu egoísmo, mas a VIDA é o bem mais valioso e essa não se recupera, tudo resto renasce das cinzas.
Aproveitem a vida e deixem a mesquinhez do que não vale a pena, a vida perdesse a qualquer momento, e o que levamos no momento da partida são as memórias dos afectos, pelo menos para mim são.
E só estou a escrever agora e não o fiz mais cedo, apesar de estar a seguir nos média o trágico desenrolar deste caminho negro em que aquelas localidades se transformaram num autentico inferno terrestre, mais uma vez reforço as minhas condolências às famílias das vitimas que não conheço. somos todos irmãos.
Tocaram nas raízes do meu coração, Pedrogão Grande a terra dos meus pais, as recordações dos carreirinhos verdes, das fontes que brotavam água, das ribeiras onde lavavam a roupa, da frescura das adegas, dos animais que podia levar ao pasto, das pessoas que partilham o duro trabalho do campo e de levarem o farnel, de andar de pés descalços a regar o milho, de arrear a burra para tirar água do poço, das escamisadas *, um rol de memórias que valem milhões e fazem de mim a pessoa que sou, que dá prioridade a este sentir de SER humano, talvez "lamechas", mas estes são alguns dos tesouros que nenhum incêndio apagará ( a não ser quando me falhar a memória) a tal "lamechice" que se chama Amor, guardo até hoje os valores e o amor ao próximo a dádiva dos meus tios Augusta e Zé António.
Muita força a Todos/as , e que este inimigo dê tréguas ás populações , e aos soldados da paz um bem haja.
Felizmente, neste dia a situação do fogo , está muito mais controlada.
Desculpem o desabafo, não consegui ficar indiferente , ao sucedido.
Quero deixar  uma mensagem de esperança , depois da tragédia irá florescer.
Aos que enfrentam a dor da perda, que encontrem força na memória dos afectos.


Mãe Mina
*-Tirar a "camisa" do milho

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Entre Nós



O Amor é assim...
Pelo menos para mim,
Deixa-me do avesso, tropeço, levanto  e volto para ti...
"Caio e levanto, qual é espanto" ( desalinhada).
Eu não perco a esperança, espero a bonança e nela avança o mesmo amor.
O tempo é companheiro é bom parceiro e até já nos sabe de cor.
E a voltas que embora nos tracem e desenlacem levam nos para onde for...
Insisti persisti...
Não sabes o fim.
Mas assim é o amor ...

Música autoria  HMB e Carminho link

terça-feira, 13 de junho de 2017

Porque! Ele disse...


...Tu ( a mãe) vais escrever sobre isto!
Sobre o habitual "metediço" ou "preocupado"!?
Não sei qual o melhor titulo?
Quando encontra alguém  que conhece, questiona não por onde andou, ou se está tudo bem com a pessoa!
Mas porque não têm feito as habituais rotinas, senão perde o direito aquela ajuda.
Ainda assim a pessoa dá-lhe crédito e responde que esteve ausente, mas avisou os responsáveis.
Até parece que é ele o responsável, tal a preocupação de que cesse o apoio,  aquela senhora e  a outras pessoas, que não  têm vindo por algum motivo fazer o levantamento do seu cabaz.
-Oh! Filho quantas vezes, já te disse que. não tens nada a ver com  a vida das pessoas, podem ter mudado de residência, podem estar doentes, podem já não necessitar ( o que seria óptimo)!
-Não lhe chegam as minhas justificações , contrapõem que já são muitas pessoas a não ir -( mas isso é bom (digo eu) é sinal que já não precisam desse apoio).
Extrapola para a vertente laboral, se toda a gente deixar de ir aos supermercados, estes fecham e as pessoas ficam sem emprego - ( pode acontecer em alguns casos, quando à muita oferta, alguns  podem não subsistirem, não haver mercado para todos, (digo eu).
O rapaz , até têm alguma razão, nestes pensamentos e nestas observações , o modo de as transmitir ao mundo é que pode não ser entendível para todos.

Imagem: direitos de autor http://apginestalmachado.blogspot.pt/2014/12/projeto-ginestal-solidaria.html

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Sem filtro



Quantos dos pais com filhos, no quadro das  perturbações do espectro do autismo não dariam tudo, para ouvir  umas simples palavras!
Um filho, que lhe conseguisse transmitir, o que o incomoda, que conseguisse  identificar a localização de uma dor!
Nem sempre os que têm essas capacidades de comunicação e de  verbalização, o conseguem expor da forma mais conveniente.
Aquele "malfadado" filtro social, torna a conversa disfuncional, contar algo que até pode ter a ver, mas por ser demasiado intimo ( talvez o devesse  guardar na gaveta intimidade).
Saí tudo da boca para fora, não que tenha algum mal, falar de sexualidade, mas dentro do contexto, e se a consulta fosse nesse sentido.
A consulta era de otorrinolaringologia, para observar mais uma vez um problema crónico que se arrasta à já alguns anos de um desvio no septo nasal, que lhe têm provocado bastante mau estar, desde que sofreu uma agressão (quando frequentava o FSO*)
Explica à medica, quais as estratégias que têm arranjado, para conseguir aliviar de alguma forma o desconforto respiratório da narina, que está mais afectada ( fazer rolinhos com papel para provocar o espirro, torcer o nariz, colocar vibrocil e o acto masturbatório), que a médica nem tinha ouvido, mas que fez questão de repetir .
Está cientificamente provado o efeito, mas não havia necessidade :)

Agora, vamos ficar em modo, preparação psicológica, para uma possível cirurgia.
Já lhe foi explicado, que vai ter uns rolos no nariz, e só poderá respirar , pela boca.
Vamos aguardar, serenamente, a ver se é desta que resolve, este problema.

*FSO- Forúm Sócio Ocupacional


segunda-feira, 5 de junho de 2017

Saídas com graça


Piada 1
Oh! filho liga aí a televisão, hoje nem sei o que está a dar!???
Futebol responde me ele a selecção está a jogar.
E esse jogo conta p'ra alguma coisa pergunto eu?!!!
Mostra-me a caixa dos feijões, p'ra isto:-)))

Piada 2
Um pai "solicodependente."
Filho, para o pai:
- Tu és esperto, estiveste a apanhar sol, porque sabes que é de pouca dura ( sorrimos).
Claro , que é pelas pesquisas climatéricas que faz, que fez esta analogia.

Está ficar com sentido de humor o rapaz  :)

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Mini-Concerto


Ainda no mês de Abril, registamos, mais 2 eventos,  uma caminhada nocturna , no dia 5 Abril,  e este mini concerto , para mais uma vez  consciencializar, para as perturbações do espectro do Autismo.


domingo, 16 de abril de 2017

Caminho Azul



Este ano também participamos no caminho Azul, na ilha da Madeira.
Tendo o sétimo caminho Azul, na Foz do Arelho- Caldas da Rainha  ficado muito bem representado, pela nossa amiga Célia Abrantes.
Os caminhos, não são nossos, são de todos os que de norte a sul do país e ilhas, no dia 2 de Abril, o fazem por AMOR à camisola, sejam eles associações ou pessoas individuais.
Este AMOR às pessoas que não escolheram ter Autismo, mas que por carga genética, ambiental ou outras, num mundo enigmático, onde cada individuo é uma "peça" única , independentemente do quadro que apresente, todos diferentes.
Embora convergentes, em maior ou menor grau, consoante a funcionalidade de cada um dentro do espectro., nível 1, (ligeiro) nível 2, (moderado) nível 3 (grave).
As maiores dificuldades residem na forma de comunicar e consequentes relações sociais com o meio envolvente.
Autismo, não está na cara, mas é visível aos olhares mais atentos e informados.
Enquanto mãe, procuro a compreensão e entendimento da sociedade.
São 365 a consciencializar e sensibilizar para estas perturbações .

sexta-feira, 14 de abril de 2017

O convite

A viva voz!
Melhor do que escrever, é ver e ouvir.
Nota de referir, que em cerca de um ano e pouco, têm apenas cerca de 25 horas no total-
Uma vez que só têm uma aula de 30 minutos por semana no CCR, e que fazem as interrupções lectivas.
Ainda assim, exige lhe um grau de concentração e responsabilidade.

D

CCR-Conservatório Caldas da Rainha