Mãe e filho de mãos dadas trilhando os caminhos do autismo/asperger.
Numa partilha intimista e de coração aberto em sonhos e desalentos, numa vida vivida...
Ter um filho asperger não é o fim do mundo, mas o princípio de uma nova vida...
Valorizando os afectos...

terça-feira, 29 de junho de 2010

Tese de Mestrado

O Bruno esteve a colaborar, com uma psicóloga, na sua tese de mestrado na área do autismo.
Referi-lhe que o Bruno estaria na "versão" autismo de alto funcionamento, ou Síndrome de Asperger numa "versão", mais comprometida!...
Algo confuso, até para mim que ao longo da vida tenho tentado descodificar.
Mas simplificando estará no meio termo ali mesmo na fronteira, se é que existe uma fronteira nestas coisas(tenho as minhas reservas).
Lá ficou o Bruno a fazer os testes, cerca de uma hora a testar a lateralidade, e alguns sentidos e concentração...
A "cusca" da mãe pergunta tudo eheheheheh, a quem ele saíra!?...
Lá me contou curiosamente os que não tinha conseguido executar, que foram três, num deles a mãe também teria dificuldades de equilíbrio...
Agora ficamos à espera dos resultados...
Estou mesmo interessada em saber!...
Aí... Esta minha curiosidade ou necessidade de ir mais longe, que me consome!...

6 comentários:

Fê-blue bird disse...

A curiosidade e a necessidade de saber e ir mais além, também é o que me tem valido na difícil tarefa de ser mãe.
Acho essencial, procurarmos respostas para as nossas inquietações, para mim é como o ar que respiro.
Um beijinho aos dois

Dulce Bregas disse...

Bolas,somos mães curiosas e depois?
Há dias numa horrível consulta médica,a querida Dra.disse-me que eu sufoco o meu filho,não o deixo viver...nuns breves segundos pensei:Salto-lhe para o pescoço?
Não sufoco,assim como tu também não,mas ninguém melhor do que nós os conhecemos...um olhar e sabemos se estão tristes,ansiosos,cansados...
Mães galinha?Com muito orgulgo!
Beijinhos!

AVOGI disse...

imagino como te sentes essa espera mata. mas a curiosidade tb. mas que mania de querermos saber de tudo?

Mina disse...


Já andei demasiados anos inquieta perdida sem saber o que o meu filho tinha, numa espécie de "ave rara", embora me fossem dando alguns diagnósticos ou nem seria bem isso, algo na minha intuição me dizia que estava no espectro do autismo, sem nada saber do assunto, nem haver uma ínfima parte de informação que existe hoje em dia!...
O que também não me parece que seja uma mais valia, confunde muito as pessoas, é preciso haver uma grande filtragem...
Nesta altura do campeonato, já estou mais "aquietada" xD
bjocas

Mina disse...

Dulce
lool
"Defeito" de mãe, apaparicar muito os seus rebentos, a pediatra do meu na altura jsutificava tudo com os mimos!...
E é verdade ninguém melhor do que nós algum dia os conhecerá, embora algumas vezes possam ser imprevisiveis, temos de lhes dar espaço, mas é dificíl desprender sabendo nós os riscos que correm com a sua pureza!...
bjocas com mimo :D

Mina disse...

Avogi
Acho,interesantes estes estudos, e se chegarem a conclusões melhor ainda, porque este espectro é muito alargado, e os resultados podem ser variados!...
Não há duas pessoas iguais, neste espectro aplicasse mais que nunca!...
Fico na expectiva, dos resultados, principalmente porque o Bruno serviu de "cobaia", e não coneto aqui a palavra com sentido pejorativo, porque é preciso avaliar e testar para se poder concluir de alguma forma, e num caso já tão evidente, será muito mais fácil a analise!...
Por acaso até já tenho comigo uma outra tese em que o Bruno não esteve presente,e com a qual me identifiquei bastante!...
Bjocas