Mãe e filho de mãos dadas trilhando os caminhos do autismo/asperger.
Numa partilha intimista e de coração aberto em sonhos e desalentos, numa vida vivida...
Ter um filho asperger não é o fim do mundo, mas o princípio de uma nova vida...
Valorizando os afectos...

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Entrada no Infantário


O Bruno, só entrou para o infantário, aos 4 anos e meio, quando iniciou a infantil, até essa altura esteve sempre em ambiente familiar, com a mãe a avó até aos 3 anos. Quando a mãe retomou a actividade profissional até entrada neste infantário, mantevesse com a avó materna que vivia connosco, foi sempre uma criança super-protegida e mimada por todos (secalhar em demasia).
Nesta altura já sabíamos que havia algo diferente no nosso filho, íamos comentando com a pediatra que justificava os comportamentos por ser uma criança mimada, e que o mimo não faz mal a ninguém. À rebelia da opinião dela, fomos a procura de respostas, 3 meses após a entrada no infantário, consultamos o primeiro psicólogo.
As respostas quer clínicas quer do infantário, apontavam para um quadro de sob.dotado, mas muito inadaptado.
Algumas das respostas que eu dei na altura que estão na ficha de inscrição que possuo:
P-Como é o seu filho normalmente em casa?
R-È uma criança muito mexida, desarrumada, não brinca muito tempo no mesmo local.
P-Quando contrariado como reage?
R-Foge e volta a repetir a mesma acção.
P-Qual a atitude dos pais nessa ocasião?
R-Ralhar com ele, desvia-lo do objecto em questão e dizer-lhe para não fazer a mesma coisa.
P-Pai e mãe estão de acordo quanto ás medidas disciplinares? -Resposta:Não.
P-Já frequentou alguma escola, que tipo? -Resposta:Não
-Qual o tipo de educação em casa? (Brando, severo ou equilibrado)?-Resposta: Brando
Observações- Dificuldade de comunicação e contacto com os outros, parecendo não entender o que lhe é explicado, tendo no entanto um grande poder de memorização, e repetir continuamente o que lhe é transmitido.

Nota-esta informação, foi escrita antes de qualquer consulta, já estava aqui traçado por mim o quadro de SA, que só muitos anos mais tarde me foi confirmado.

13 comentários:

Mrs_Noris disse...

Mina,
Uma curiosidade: O que levou os técnicos a falarem em sobredotação?

Visite www.arteautismo.com disse...

Mina , já te vi lá em casa rs.

Mas voce demorou tão pouco...qdo cheguei já tinhas saido kkkkkkkk
Mina brincadeira à parte , nosssos meninos ,nos deram trabalho! Era tanta ida em médicos , no meu caso, pois desde 2 anos Filipe ficou esquisito, quieto as vezes chorão. A gente sente que algo não vai bem . E vem as pessoa e dizem , é normal , é atraso, e a gente buscando....respostas.
É angustiante não é Mina?
Bem , já passou , a gente aceita eles como o são e os amamos mais do que nunca.
E diga para Bruno que está brrrrrrrr muito frio,aqui, 17,18,19 graus , to congelada. De manhã não dá vontade de levantar.
A semana começou com temperaturas baixas na Região Sul do país. Nesta segunda-feira, a mínima foi registrada em Curitibanos (SC), onde os termômetros marcaram -0,2ºC, de acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

Em Porto Alegre, as madrugadas permanecerão frias na região Sul do país até pelo menos a próxima quarta-feira, quando a nebulosidade aumenta. Durante o dia, o sol aparece e eleva as temperaturas

Viu Bruno? Por aí deve estar melhor.
Boa semana para voce Bruno e Mina.
Tchauuuu.....
Ray

Mina disse...

Noris
Na altura acho que havia neste aspecto um maior cuidado no diagnósticom ou então desconhecimento e o autismo seria mais no ambito do classico.
E ao analisar-mos a esta distância ele já lá estava e até muito marcado, como escreverei adiante...

A conotação ao sobredotado, tinha a ver com as capacidades que aos 4 anos eram superiores às dos colegas em termos práticos de conhecimento, quer numérico quer alfabetico. sabemos hoje que tudo isso se deve a capacidade de memorização quer visual quer auditiva, que já se destacava, e num periodo onde a exigência é ainda pequena ele sobressaia no aspecto dos conhecimentos gerais...

Conhecimentos gerais que ainda hoje tem muito bastos mas desconectados com a realidade, muita "bagagem" mas sem ligações parentes e sólidas...
Consegue ter uma basta cultura geral, mas nem a sabe utilizar...
E no entanto pode não saber o significado de uma palavra, muitas vezes me questiona o que quer dizer determinada palavra...
É por esta ambiguidade, que se torna dificíl perceber quem está de fora....
Já me excedi, como sempre :)
bjocas

Mina disse...

Amiga Ray
lool, não me convidas-te para tomar café kkk
Mas eu vou lá ver te com frequência, hoje fui dar a minha forçinha à amiga Odele, mulher coragem e determinada...

Felizmente no nosso caso não houve angustia até porque não notamos alteração de comportamentos nele, mas achavamos que era diferente dos outros, não se importava se lhe tiravam um brinquedo, era como se nem estivesse ali, não se ligava aos outros (isolava-se).
A relação era mais com os adultos e tinha e tem de ser os outros sempre a tomar iniciativa, e por aí fora...
A parte mais comprometida, sempre foi a relação social.

Opá!...:) nem me fales em climas que o rapaz anda "passado", todos os dias pesquisa aliás é a sua prioridade, e ontem ao ver que para amanhã quarta feira vai chover, começou aos saltos e a ralhar com o *S. Pedro*( expressão usada para quem manda no tempo)kkk

lool agasalha-te olha as constipações , está quase como cá ihihihi
Amanhã mostro o teu comentário ao Bruno, que agora já está na cama.
Já não vai querer ir para aí xD
Bjocas para ti e Felipe e boa semana

Ups!... vamos ter "fartazana" de futebol, e lá nos vamos encontrar.

Ray Gonçalves Mélo disse...

Mina, vamos ter fartazana de futebol sim!!!! Afinal está aí a Copa do Mundo e amigas´Á parte o Brasil vai ganhar de Portugal !
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.........
Beijos.
Ray

Fê-blue bird disse...

Amiga querida:
Só quem vive e sente o autismo, percebe a dimensão de cada palavra sua.
Poderei como o mãe, que ama os seus filhos, e que também teve os seus problemas entendê-la de alguma maneira, mas nunca com a sua profundidade.
No entanto dou-lhe o meu abraço solidário e amigo.
Um beijinho aos dois
F~e

Mina disse...

Ray
Oh!linda que ganhe o melhor, mas que fosse aqui os Lusos kkk
Até porque assim festejavamos os dois a nossa selecção, já tem dupla nacionalidade xD
Festejamos na mesma seja uma outra a lingua é mesma e até o patriotismo...
Mas deixa lá nós nunca ganhamos nada kkk
bjoquinhas com amizade Lusa

(agora sem brincadeira quem ganha são os jogadores e balúrdios e nós Zé povinho, a sofrer)

Mina disse...

Querida Fê- blue bird

Bem sábias as suas palavras, por muito que nos esforcemos, cada um sabe de si e Deus sabe de todos.
No entanto precisamos de ter vontade e algum esforço para entendermos os outros na medida do possível...
E uma coisa é perceber e outra é sentir e esse sentir ninguém o pode fazer por nós.
Mas também sentimos o carinho e a amizade que bem de longe, obrigada, por aqui vir dar a sua palavra amiga...
bjocas

AVOGI disse...

mas MINa porque falaram em sobre-dotação? já haviam falado antes desta entrevista ? os técnicos já conheciam a criança? ou havia um relatório médico? e foi logo na 1º entrevista que lhe fizeram estas perguntas? acho estranho, não são perguntas relacionadas entre si. kis

Mina disse...

Avogi
Não amiga, este inquerito´foi aquelas fichas que se preenchem com os dados pessoais para ingresso no colégio.
O que nada tem a ver com o sobredotado, tem apenas a ver com a minha analise de (mãe)sobre a situação do Bruno há época.
O sobredotado, foi avaliado pelos conhecimentos demonstrados quer no próprio infantário, pelas educadoras, e à posteriori por um psicologo que lhe fez vários testes, onde ele exponha as capacidades.
Não foi caso único com este diagnóstico, até porque não há muita distância num sobredotado, é também uma pessoa limitada socialmente e obssessiva nos seus interesses ( supõe se e indo pela teoria de que Enstein ou até Bill Gates, tem Síndrome de Asperger)
Não é o caso do Bruno muito longe disso xD, mas aos 4 anos sobressaía...
bjocas

Sara disse...

olá,

Gostei muito do seu blog, os meus parabéns pela sua força!

Eu tinha seis anos quando fui pela primeira vez a um psicólogo, e a conclusão deste foi que eu era mimada e demasiado protegida. Na escola isolava-me e fazia amigos. Só com dezassete anos é que me foi diagnosticado Síndrome de Asperger, desde então tenho pesquisado mais que posso sobre o assunto.

Mais uma vez parabéns :)

Sara

Mina disse...

Olá Sara
Bem vinda!...
O diagnóstico mais facíl é sempre o mimo, o que neste caso do autismo até seria "contra natura", uma vez que era designado por falta de afecto.

Portanto isso o meu filho de facto não tinha, e a este diagnóstico actual tecnicamente só chegaram aos 18 anos e com uma evidência sem margens para dúvidas.
Embora em abono da verdade já tinha sido aflorado por outras psicologas do centro que frequenta actualmente.
Mas devesse mais ao facto das directerizes que nós pais sempre demos, que ele estava no espectro do autismo ao qual eu até dizia que tinha (CA) esta designação não é cientifica nem tecnica era apenas utilizada por mim para designar os Comportamentos Autistas do meu filho.
E afinal estava tão perto era (SA)Síndrome de Asperger embora no caso dele eu acredito que seja um caso severo.

Em relação a ti acho que tens um discurso muito fluente e coerente, e que me transparece uma situação ligeira( que aliás é comum nas raparigas ser mais ténue)...
Volta sempre
Bjocas

BrunoV. disse...

Ray
O tempo aqui em Portugal está muito semelhante ao daí no Brasil.
A temperatura anda mais ou menos igual e anda a chover.
Parece quase Inverno.
E preve-se a continuação deste tempo até ao fim-de-semana e depois não sei se isto vai melhorar, mas ao que tudo indica a temperatura no Domingo vai subir segundo as previsões metereológicas, agora se vai deixar de chover isso já não sei em alguns lados dizem que a chuva vai continuar mas noutros não.
Beijos