Mãe e filho de mãos dadas trilhando os caminhos do autismo/asperger.
Numa partilha intimista e de coração aberto em sonhos e desalentos, numa vida vivida...
Ter um filho asperger não é o fim do mundo, mas o princípio de uma nova vida...
Valorizando os afectos...

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Ida ao hospital.

No final de 2004 a 11 de Novembro( dia de São Martinho), o meu corpo deu sinal. Pediu-me para que parasse.
Dias antes no final de Outubro tinha ido a um ginecologista, confesso à muito, que não ia. E só fui porque comecei a achar estranho a frequência dos ciclos menstruais, não tinha dores nenhumas, a não ser as minhas celebres enxaquecas.
Logo nesse mesmo dia de fim de Outubro no próprio consultório, foi feita uma eco que revelou um mioma no útero com grandes dimensões atingindo também um ovário.
Fui apanhada de surpresa, e saí logo com vários exames para fazer, no caminho sozinha com as lágrimas a espreitar o corpo a "tremelicar" consegui aguentar e ir marcar os exames.
Havia uma possibilidade de só ser retirado o mioma, mantendo o aparelho reprodutivo em funcionamento.
No tal dia 11 de Novembro, uma hemorragia avassaladora , me veio incomodar, o dia inteiro com o sangue a "jorrar", até fraldas tive de ir comprar, nada conseguia travar aquela "avalanche".
Depois de recolher os meus "pitos" e deixar-lhes o jantar. Pego na viatura e vou ao hospital. Quando sai de casa disse-lhes a mãe vai ao hospital e volta já...
Uhau!...Naquele dia fui atendida muito rápido, estava a acabar a inscrição, já me estavam a chamar.
Fui imediatamente encaminhada para ginecologia, e por acaso o médico que estava de serviço era o médico que me fez o diagnóstico, no particular.
E bom disse-me tens de cá ficar e ser operada de urgência.
O quê !...digo eu, não pode ser, eu tenho de ir para casa eu disse que voltava.
O médico também , já tinha conhecimento da síndrome do Bruno, de que não pode haver assim umas surpresas tão repentinas, eu tinha de me aguentar.
Têm de me dar tempo, para o preparar, para a minha ausência.
Ele lá ouviu as minhas preces, e deixou-me sair com receitas para anemia que já estava instalada e veio a piorar muito, e para parar a hemorragia.
Mas alertou-me cuidado, tu és forte, mas cuidado...(convencida mas é)
Naquele dia até estranhei tanta gentileza até o segurança me queria ajudar rsss
Só depois vim a saber que era por causa da fita vermelha que envergava na "lapela"
Alheia aos avisos e com vontade de regressar a casa e descansar, continuei o caminho as receitas fui aviar, na farmácia já tive que me sentar.
Para regressar ao carro havia uma pequena subida, parecia-me uma montanha, já sem forças para a trepar. Nessa rua entro numa churrasqueira a pensar preciso de me alimentar, vou já aliviar. Senti o cheiro dos grelhados que me estavam a enjoar, mas o cansaço era tanto que nem consigo falar sinto o corpo a "resvalar", já meio "tropega", ouço as funcionárias a dizer que me vão levar ao hospital. Não, digo eu em voz sumida acabo de sair de lá.
Enquanto me dão um copo de água com açúcar, ligo a um casal amigo para me ir buscar, já não me conseguia levantar, e conduzir nem pensar...
Amparada por eles a casa consigo chegar, tenho uns dias para recuperar.
E para tudo organizar, e principalmente preparar o Bruno, para a minha ausência, durante uns dias....
"to be continue"
O que o comentário da Ray me foi fazer lembrar rsss

8 comentários:

Estrumpfina disse...

Valha-me Deus. Onde é que uma Mãe encontra tanta força?

Fico à espera do resto da história. Uma amiga minha anda também às voltas com o mesmo problema.

Desculpe este "abandono" temporário.

bjs

Mina disse...

Estrumpfina
As mães arranjam forças, onde memos se espera, o amor vence sempre e confesso que não me saía do pensamento o Bruno e seria muito mais complicado senão tivesse vindo para casa organizar as coisas, principalmente os horários dele quem o ia buscar, colocar que na altura ele ainda frequentava dois locais a formação profissional e a escola secundária, ele tinha de ter tudo muito bem delineado, para ficar tranquilo.
Mas foi um pouco de loucura da minha parte, que até correu bem com a força adicional que Deus me deu.
Força para a tua amiga, é preciso tranquilidade, e agora para nós mulheres não descurem as vossas idas ao ginecologista, façam os exames de rastreio, no inicío é tudo mais fácil de resolver, no meu caso de "mandriona" deixei avançar demais, mas está completamente ultrapassado, julgo eu.
Foi feita a a uma histerctomia total e anecectomia á direita em linguagem comum retiraram o útero e o ovário direito, estarão a pensar porque eu quiz mantêr o outro ovário, fui eu que sugeri ao médico, para não entrar logo na menopausa, que essa quanto mais tarde melhor rsss, e assim este bendito ovário vai cumprindo com a sua função hormonal, e pelo menos 5anos já ganhei.
Informem-se bem e tirem todas as dúvidas, nestas situações ...
Oh!... amiga não senti o teu "abandono", vi que estavas muito ocupada...
Bjocas

Mrs_Noris disse...

Meu Deus, nestas andanças sozinha é que não minha amiga. Muito uma mãe/mulher aguenta...
Tenho de marcar a minha consulta de rotina. Realmente vale mais prevenir.
Um beijo.

avogi disse...

Este relato fez me lembrar que eu ha muito que nao faco exames. *(Desculpe a falta de pontuacao, estou com o pc do meu filho e nao o entendo(. qUE ESTRANHO

Mina disse...

Noris
Às vezes, é preciso marchar sozinho, mas quando é necessário apelasse aos amigos e á familía.
E o meu maridão também tem o lado Asperger que ás vezes não sabe muito bem lidar com as situações, e então deixa andar...
Quem sabe até se Deus, não nos deu este filho, para poder entender melhor o pai.
O Bruno por muito que adore a mãe, que tem de saber até quando eu vou estender a roupa, não saberia agir numa situação de gravidade...
Mas eu também não lhes "cobro", já sei como eles são neste desprendimento , tem um enorme coração...
Bjocas

Mina disse...

Avogi
OH! pontuação, não é comigo rsss
Mas lembrar de fazer os exames é. Há sinais silenciosos.
E cada mais se vai assistindo a casos, de cancros de mama e do colo do útero...
Vá toca a rastrear, os ginecologistas, já não assustam rsss
bjocas

Visite www.arteautismo.com disse...

Mina , tu é doida???? podias acontecer-te algo amiga ao dirigir com tanta hemorragia!
Ainda bem, que deu tudo certo.
Mas conta o resto vai.....enquanto estavas fora o que Bruno sentiu?
Eu também fiz uma cirurgia plástica nos seios em 2005. Sabe quanto voce vê que tem de fazer?
Mas o pensamento era o só Filipe. Fiz os exames marquei a cirurgia e comecei a conversar com ele sobre a cirurgia. Voce sabe que Filipe não convesa, mal fala frases soltas ,quando lhe interessa. Então só olhava pra mim e nada. E fui falando.....
No dia da cirurgia, eu beijei os três filhos as 6 da manhã , ainda dormiam e fui. Com coração na mão, mas com fé enabalável no Meu Deus!
Meu marido acordou Filipe , levou-o a escola, para ele não se extressar enquanto eu fazia cirurgia. Assim que ele chegou da escola começou a chamar mamâe pela casa , e ao pai sacodia mamãe.....meu marido estava uma pilha de nervos, ficou mais nervoso ainda.
Não contente , Filipe foi ao meu quarto pegou minhas roupas e sapatos e levou ao meu marido, mostrando : mamãe.....
Aí meu marido teve que o leva-lo até o hospital onde eu tinha acabado de sair da cirurgia. Ele queria que eu me levantasse e fosse embora, me lembrei de quando eu ganhei a Camila, ele fez a mesma coisa e ainda por cima pegou sarampo. Eu toda enfaixada , tinha que ficar com ele febril e ir ao pediatra. Foi fogo também naquela época...
E na minha operação , ele fez o mesmo, já grande, queria minha volta a qualquer custo.
Falei muito com ele, beijei, fiz carinho e mandei ele comprar sorvete com o pai. O pai nervoso disse que nunca mais faço nada rs rs .No dia seguinte Filipe ficou muito feliz de me ver voltar á casa.
Sabe Mina , embora Filipe seja um autista quase clássico, me tem muita afeição e isso me faz pensar. Até onde o autismo prejudica? Qual o atalho para interromper isso.
O teu caso é o mesmo, tens de ter saúde amiga. Não podes faltar ao teu Bruno. Já fostes ao ginecologista este ano?
Beijos .
Ray

Mina disse...

Ray
Põe loucura nisso rsss, mas só q.b. tá rssss
Deus sabe o que faz, e avisou-me como viu a teimosia,kkkk obrigou-me mesmo a parar...
Eu confio sempre nele, e na estrelinha mãe que sempre ajudam...
O Bruno como já estava preparado, sabia o dia em que eu era internada e o dia em que tinha alta ficou tranquilo, e todos os dias me ia visitar e mais que uma vez quando do o pai o levava.
No dia em que tive alta, nesse mesmo dia ele participou num desfile de moda, entre os trajes que envergou um era noivo, e lá vai a "louca"kkkk da mãe, tem de ir assistir, tinha de ter cuidado os pontos estavam frescos então o quê que eu fiz rsss coloquei uma almofada tipo grávida, para mesmo que me tocassem no meio da confusão não havia problema lool
Mas o Bruno sem o ter transmitido durante o meu internamento, estava sedento da mãe.
E então no dia do desfile em vez de desfilar, para toda a plateia, só eu estava na mira dele, e parava em frente ao local onde eu me encontarva a dizer a adeus e mandar beijinhos, como se eu não o visse rssss, estragou um bocado o desfile por ficar "embasbacado" para eu o ver, foi a forma que ele encontrou para me dizer que naquela plateia eu era a mais importante, e que tinha sentido a minha falta...
Já fui á médica de família e este ano por acaso não fiz as eco e mamografias que costumo fazer todos os anos, já vai para lá de 20anos que faço controle, e até já fiz também cirurgia,logo a seguir a esta do útero 6 meses depois foi a mama a castigada, um nódulo mamário que já estava instalado há anos resolveu, aumentar para 7cm de diametro, já foi retirado e felizmente era benigno, tenho Deus no meu caminho e dou graças a ele por me ter dado sempre uma luz...
bjocas