Mãe e filho de mãos dadas trilhando os caminhos do autismo/asperger.
Numa partilha intimista e de coração aberto em sonhos e desalentos, numa vida vivida...
Ter um filho asperger não é o fim do mundo, mas o princípio de uma nova vida...
Valorizando os afectos...

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Afinal!...


Pertence ou não pertence ao nosso agregado familiar.
Confusa e intrigada, que eu fico, com o "sistema".
A ver se consigo descodificar, para a instituição o Bruno pertence ao agregado familiar, para organismo Segurança Social é um cidadão adulto que recebe a pensão social de invalidez.
Como tal um cidadão individual supostamente autónomo com regalias e deveres...
Deveres esses que impõe, o pagamento de 80% da pensão para a instituição, mas cuja declaração de rendimentos pedida não é a do Bruno, mas a do agregado familiar...
Obtivemos agora este esclarecimento, foi nos pedida a prova de matricula da filha, embora ela não receba abono desde a altura que o irmão começou a receber a pensão , deixando ele de pertencer ao agregado familiar, passamos como tal a ser considerados só com um filho, subindo deste modo de escalão , passando a irmã como filha única a não ter direito a abono de família...
Conclusão evidente não?!...
Para pagamentos pertence ao agregado...Para recebimentos não pertence ao agregado...
Atenção que não estou a reclamar, apenas a constatar as incongruências do "sistema"
Do ponto de vista da família, tem mesmo de pertencer ao agregado, do ponto de vista das instituições, fica a dúvida?!...
Afinal é! ou não é?!... deste agregado familiar?!....

8 comentários:

PDD-NOS (Menina) disse...

Mas que confusão, é mesmo o nosso belo sistema.
bjs Bete

avogi disse...

Portugal é assim. O governo não pode perder dinheiros,tem de entrar nos cofres. Se for para pagar, temos de pagar se for para nós recebermos já não é assim. Quem fica a perder, quem? Nós. É o Portugal que temos. E quem tem culpa? Nós que os elegemos.

Estrumpfina disse...

Está bonito está...

Uma pergunta: o IRS que preenchem é em conjunto? Uma vez que vivem na mesma casa deveria ser... e assim já podem contemplar as despesas do Bruno. Será que ajuda?

bjs

Mina disse...

Bete
Vota confusão nisso, de "simplex" não tem nada rsss
Até ficamos a saber que a filha tem dois números de segurança social, um Lisboa e outro em Leiria. é o intrusamento do sistema a funcionar no seu melhor...
Espero que não haja é "complex" nisso que a garota além de não ter direito ao abono ainda venha a não ter direito ao sistema de nacional de saúde.
Como foi o pai a tratar do assunto, ás vezes também apanha as coisas a meio.
Vamos aguardar no que vai dar rsss
bjocas

Mina disse...

Avogi
Não sei se isto será uma boa política de gestão, até porque eu nunca achei bem que o meu filho receba uma pensão achava que o meu filho devia ter sim uma ocupação produtiva e ser remunerado por isso.
Nem acho que ele seja inválido, para mim não é, podia ser uma fonte de rendimento para ele e para o estado.
Mas o "progresso", faz-se com a lei do menor esforço.
E então uma mão lava a outra por lado recebe a pensão por outro debitam-lhe a quase totalidade da mesma...
Os 20% que sobram deve ser para pagar as deslocações do ir-mos pôr e buscar...
Aí avó até me parece que já estou a desalinhar...
bjocas

Mina disse...

Estrumpfina
Foi para nós uma situação nova, enquanto o Bruno recebia o abono complementar era declarado no nosso agregado e não eram mencionados os montantes, recebidos.
Agora em termos fiscais temos as duas possibilidades, ou declaramos no agregado que foi o que fizemos e mencionamos os montantes recebidos por ele.
O podemos declarar de forma individual, não sei qual o mais vantajoso, não fiz sequer as simulações, que como é evidente ele tem de fazer parte de algum agregado...
Mas independentemente disso,teria de apresentar os dois rendimentos, o dele e nosso...
Mesmo para requer a dita pensão foi necessário todo historial do agregado familiar.
São as burocracias e legislações que temos, o que vale ele vai tendo quem resolva e ponha pés a caminho, senão não sei como se iria safar...
bjocas

Autismo disse...

é o nosso belo sistema que só quer é lucro, épena vivermos num pais assim, mas pensando melhor acontece em muitos outros...

beijinhos

Mina disse...

Yvonne
Se de novo bem vinda, e quanto ao lucro.
É capitalismo que prolifera, e como já muito se comenta os seres humanos passaram nesta sociedade a ser meros números.
No caso do meu filho acho que o estado não lucra antes pelo contrário, permitiu-lhe a formação e agora não lhe dá continuiedade.
Custa-me dizer isto mas lá está é mais um tal número, que um dia espero conseguir alterar...
bjocas