Mãe e filho de mãos dadas trilhando os caminhos do autismo/asperger.
Numa partilha intimista e de coração aberto em sonhos e desalentos, numa vida vivida...
Ter um filho asperger não é o fim do mundo, mas o princípio de uma nova vida...
Valorizando os afectos...

domingo, 15 de fevereiro de 2009

O Meu Best Seller



Já li dezenas ou centenas de livros, mas este foi o que mais me marcou:

"Memórias de uma mãe sobre o seu filho Autista", titulo original "News from the border, a mother's memoir of her autistic son"

Transcrevo-vos aqui o que está escrito na contra-capa,
É o relato fiel de Jane McDonnell, acerca da experiência da sua família com o autismo.
Educar um filho autista foi o drama central e contínuo da sua vida de casada. O filho Paul um autista hiperactivo, é capaz de conduzir, assistir ás aulas e manter grandes amizades, mas permanece numa espécie de terra-de-ninguém emocional, intensamente consciente das suas diferenças.
Começando pela infância de Paul, Jane McDonnell, relata a sua tentativa constante de compreender e ajudar o filho. Retrata com vigor os conflitos tidos com o marido acerca das diferentes respostas de ambos em relação ao comportamento de Paul e as batalhas travadas contra os preconceitos e a inaptidão da comunidade médica. Mas acima de tudo esta é uma história de sobrevivência: a dificuldade superada de Jane em educar uma criança bastante perturbada, e a coragem constante de Paul face a grandes dificuldades.

6 comentários:

Mina disse...

Não vos conseguirei fazer o resumo do mesmo que já li á muitos anos, decorria o ano de 1995, e voltei a reler mais tarde, mas ainda no secúlo passado, mas recordo-me de que este jovem tinha comportamentos semelhantes ao meu rapaz, nas mesmas idades, embora na idade adulta, não tenha conseguido atingir a meta deste jovem,mas serviu-me, um pouco de guia, que não tinha um diagnostico de autismo para me orientar.
Porquê seria?!.. que este jovem tinha tantas coisas em comum, com o meu, e esta relação familiar era tocante, um pai menos condescente e uma mãe desejosa de ver o filho superar etapas,tinha uma irmã mais nova portadora de parelesia cerebral, que não me recordo já qual a relação com o irmão, mas penso que ele era o dominador.

ISABEL BATEIRAS SANTOS disse...

Neste momento estou a ler Um Amigo Chamado Henry e estou verdadeiramente impressionada com o drama que esta familia viveu até se dar o milagre.
Não sei a história toda mas pelo documentário do youtube e com a parte do livro que já li dá para perceber que o Dale pasou do 8 ao 88 como eu cotumo dizer.
Gosto de ler livros que nos narrem histórias reais,porque no nosso caso não nos convém o romance.
O livro que li deste género que mais me impressionou foi Ensina-me a falar,depois de ler este logo darei a minha opinião.
Entretanto vou ver se encontro este que aqui indica,já vi que é do circulo dos leitores,não sou sócia,mas vou espreitar o site deles.
Obrigado pela partilha.

Mina disse...

Olá Isabel
Concordo consigo, que em termos literários quando se trata de querer atingir objectivos e superar os nossos "medos" nada como um livro bibliogáfico para perceber-mos e sentir-mos que há outros que sentem e pensam como nós.E é também como com esse propósito que por aqui ando.Até conhecer este livro e já o meu filho tinha 10 anos eu achava que era caso único. Esta familía embora distante da nossa realidade, que viviam na Inglaterra e EUA, tinha uma realidade muito próxima da minha.
Foi mesmo um balsámo para mim saber que aquele jovem na altura com 19 anos tinha ultrapassado tanto.Porquê que o meu não havia de conseguir!... Desculpe estar a ser tão maçadora mas revela a importãncia que um livro escrito com tanta verdade pode ter num ser humano,até ainda não falei dele ,do Paul, que teve uma participação muito grande no livro ele próprio escreveu o pósfácio, que eu até nem costumo, mas comecei a ler o livro pelo fim, precisamente pelo relato do jovem que conseguiu um emprego numa estação metereológica, que era assim uma das grandes paixões dele, sonhei que um dia o meu tambem tivesse essa possibilidade, mas até agora não, (estamos em Portugal pois então!?).
Creio que este livro já não haverá, que terá sido uma edição daquela época, mas se encontrar é optimo, porque continua actualizado.Eu também não sou nem nunca fui sócia do circulo de leitores, senão faria a pergunta, e na altura comprei através de uma amiga que era sócia e sabia da nossa história disse-me, que havia um livro bom para mim, agradeço á A, pela lembrança, foi mesmo uma inspiração...
Bjocas de desculpe o enfado, mas quando falo nestas mais de 400 páginas de esperança fico emocionada.

Mina disse...

Isabel como me alonguei no coment anterior voltei...
Nenhum dos livros que fala ainda li, mas terei muito gosto em faze-lo. E quando acabar se poder dar aqui um lamiré também agradeço, até porque estará mais fresco na sua memória. Dos que li ultimamente e que de alguma maneira abordam o tema, foram o "autista ,quem eu?!","o estranho caso do cão morto","a menina que não queria falar", "juntos ao luar",, em relação a estes devo dizer que fiquei com uma versão romanceada, mas onde existe de facto um cunho da diferença de alguns personagens, que para quem convive e vive ou com autismo/asperger, consegue apanhar atitudes e comportamentos que nos são familiares.
Refiro ainda pela simplicidade e também pelo conteúdo, dois pequenos livros, editados pelo "cadin" e pela "apsa", o "crescer com um irmão «Diferente»" e "Posso explicar-te o que é a Síndrome de Asperger?", que também li são quase livros infantis, que até pudiam fazer parte da formaçao cívica.Só os estou a indicar, por serem de facto muito muito simples.
Boas leituras...Fico á espera do feed-back do "Um amigo chamado Henry"
bjos

Autismo disse...

tenho que ler este livro =) !

Mina disse...

yvonne
Este livro já é muito antigo XD...