Mãe e filho de mãos dadas trilhando os caminhos do autismo/asperger.
Numa partilha intimista e de coração aberto em sonhos e desalentos, numa vida vivida...
Ter um filho asperger não é o fim do mundo, mas o princípio de uma nova vida...
Valorizando os afectos...

quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

Geladeira ou Fogareira


Todos nós sabemos que há muito que caiu por terra a teoria da pessoa que dizia que as mães de autistas eram "geladeiras", que não transmitiam afecto ou emoções aos seus rebentos, portanto, que seriam crianças supostamente abandonadas emocionalmente.
Não sei em que se baseou aquele senhor para fazer esta análise - eu julgava ser o Dr: "Leo Kanner", mas que não está devidamente documentado que tenha sido de sua autoria a expressão "mães-geladeiras". Uma coisa é certa, aquela teoria não era uma mãe com toda a certeza.
Mas o meu Bruno inventou uma outra teoria, que eu vos revelo agora em primeira mão. Desde pequenino, talvez com 3 anitos, que o Bruno me chamava "Fogareira", agitava-me os cabelos, ou seja, despenteava-me e dizia: "tu és a minha fogareira".
Nunca tinha pensado muito nesta ligação que ele me fazia a uma "fogareira".
Até que há relativamente pouco tempo me explicou o porquê - e continuo a ser a sua "fogareira" - e a explicação foi tão simples quanto isto: "Porque tu aqueces-me".
Depois de muito reflectir, percebi bem o sentido que ele quis dar à " mãe fogareira": que aquece, que protege, com quem ele pode sempre contar.
Apresento ao pai da "geladeira" o filho da "fogareira", e digo-lhe mais, esta mãe confia mais nesta segunda teoria, que partilha com todas a mães de autistas/aspergers ou não.
Nós somos "FOGAREIRAS"!



A todos que partilham connosco estas e outras peripécias, espero continuar dividir convosco ao longo de 2009. Desejo um novo ano com este calor humano que espero transmitir em amor e genuinidade.

24 comentários:

Mina disse...

Amigas/os nem imaginam a felicidade que é ser a "fogareira" de alguém,ihihihi.
Só pudia vir de um ser tão puro como o meu filho...
Faz favor de revogarem a outra teoria sem sentido...
Bjocas

Mrs_Noris disse...

Que bela declaração Mina :)
Claro que somos “fogareiras”, acolhedoras, afectuosas e preocupadas mães. Mas consta que ainda há por aí alguns seguidores da teoria da “geladeira”. Será que essas alminhas conseguem imaginar o sofrimento por que passaram essas mães?
Beijos.

Mina disse...

Noris,
Só me posso sentir honrada com esta declaração de afecto, e outras que ele me faz, sem pedir nada em troca ...
E ninguém imagina o que é de facto, essa teoria da mãe geladeira, o que pode fazer doer a uma mãe que tanto ama o seu filho e tudo faz para o ver feliz.
Confesso que eu sempre achei que o meu filho tinha particularidades de autista desde os seus 3/4 anos, e procurei na altura informação que era escassa, e eu revia muitos dos comportamentos do meu filho no que lia, mas esta relação da mãe com filho, era-me tão estranha e completamente absurda, que eu nunca seria uma mãe "geladeira" tal como a minha propria mãe nunca o foi, tudo o que eu possa dar ao meu filho e a todos os que me rodeiam ,em afectos esses nunca faltarão..
bjocas.

Luisa_B disse...

Parabéns ao Bruno por tal sentimento e expressão.
De facto o que importa se vem um Leo ou um xpto dizer que eram ou são mães geladeiras frias sem transmissão de sentimentos aos filhos...tinha de ser algum homem com algo mal resolvido certamente talvez por parte da sua mãe ou esposa. Saindo um pouco do tema mas antigamente os homens que não eram hábeis ou meigos com as mulheres depois apelidavam-mas de frias e frígidas estas expressões só demonstram a incapacidade deles de se darem sejam eles quem forem. As mulheres e os animais são os seres mais sensíveis na terra e que mais acarinham os outros.
Somos sim as mães fogareiras como disse o Bruno.
Podem sempre contar connosco para a compreensão pois afinal se os geramos na nossa barriguinha quente como podíamos desligar a temperatura depois do nascimento desses seres que tanto acarinhamos por 9 meses e pôr em modo frost?
Beijinhos bom post!

PDD-NOS (Menina) disse...

Já fui acusada de Mãe galinha e de mimar muito a Bea, se isso é ser Geleira, então eu devo ser uma, lol
Quem inventou essa teoria infelizmente não teve base cientificas para o fazer, teve foi a "sorte" de alguns pensarem que poderia ser possível.
Por tudo o que tenho vivido com a minha filha e por o que vejo, acho que nós damos-lhe muito muito amor e carinho.
E é essa a nossa força, este amor maior, que nos leva a não estar de braços cruzados, a investigarmos, a questionarmos, pois nós Mães, somos uns furações na procura do melhor para as nossas crinaças.
Essas teorias antigas só conseguiram algum protagonismo, porque foram inventadas numa época em que os Pais tinham vergonha de questionar médicos e comunidade cienfica e deixavam-se ficar com esse sentimento de culpa.
Mas graças a Deus, estamos numa época diferente, e agora podem é nos chamar de grandes chatas, pois não nos contentamos com respostas vagas, nem aceitamos a primeira opinião, sem fundamentos.
Por isso a comunidade médica teve que começar a olhar para o autismo, não com os olhos de um preconceito bem fabricado, mas para algo que existe e que nunca foi verdadeiramente estudado e explorado.
E desde que nos EUA os casos de autismo dispararam em flexa, não poderiam continuar a culpar os Pais.
Infelizmente, fui necessário chegar a um número alarmante de casos para começarem a investigar.
Ainda estamos muito longe, mas já estivemos pior.
E definitivamente, ainda á muito a fazer, não aceito que se tenha incutido na opinião pública ideias tão erradas e preconceitosas.
Os nosso filhos tem uma doença como outra qualquer.
E definitivamente, digo, nós somos Fogareiras.
bjs Bete

Luz de Estrelas disse...

Que termo tão querido e terno. Obrigada Bruno. Mães geladeiras o tanas. Se fossem medir o amor que sentimos por eles, nem a escala máxima do calor serviria. Mas sobre as teorias, desculpem-me a honestidade, cada uma é mais ridícula do que a outra. Li há dias sobre a teoria de que era a chuva que provocava o autismo. E outra que dizia que era da televisão...

Estrumpfina disse...

Essa teoria faz para mim todo o sentido ;)

É tão bom ser a "fogareira" dos meus filhotes.

Beijos grandes

Mina disse...

Luísa
Até puderá haver mães pouco afectuosas, mas relacionar com o autismo, acho completamente "estapafordío". acredito que as mães possam influenciar na educação dos filhos e tem o papel primordial na vida deles,mas um dia eles terão de trilhar o seu próprio caminho.
Que no caso dos nossos dificilmente o farão sozinhos, terão de ter sempre o nossa orientação...
Não porque queiramos que assim seja, não por culpa nossa, mas pela enorme dificuldade que eles tem em entender o mundo que os rodeia, e tambem o contrario o mundo não os percebe.
As mães "fogareiras" tem de estar sempre atentas...
Mas tambem há uma teoria com a qual eu concordo plenamente, quando se diz que os Asperger vivem no nosso mundo, mas a sua maneira. Cabe-nos a nós compreender e transmitir aos outros estas formas particulares de viver, e é nesse papel de mãe que tento dar o meu contributo, para que os consigam entender...
bjocas

Mina disse...

Bete

Também fui acusado do mesmo pela pediatra do meu filho sempre que referia alguns comportamentos menos adequados há idade, ela dizia que era do mimo, é verdade que ele sempre foi muito mimado e que todas as atenções se centravam nele, era, e, é assim um tesouro muito precioso, que nós sempre cuidamos com imenso mimo abraços, afagos," amassos".
Afectos, a que eles , até não são muito recepetivos,mas quer, eu, quer avó materna sempre o protegemos muito, chegaram na altura a dizer que o problema era ser muito abafado por uma avó super protectora.
Nunca poderia ter comportamentos autistas com toda esta onda de afectos, achavam os "entendidos".
Mas tambem acho ,que por isso ele se tornou afectuoso, e embora não revele muitos sentimentos,
se o faz é com profunda convicção...
bjocas

Mina disse...

Luz

Este termo já faz parte do nosso "espólio",mas que levei anos a decifrar.
Porque não entendia a relação do cabelo desalinhado com a" fogareira",mas acho um termo delicioso que me assenta lindamente. E curioso é que pudia ser "fogueira", mas não, a "fogueira" seria demasiado escaldante e queimaria, enquanto a "fogareira" é assim mas doce, suave...
Ah!... e afinal a avó era a "Pintinha"(lol), hoje é que descobri pensava que era a "redonda", por causa do nome ,mas não, era a "Pintinha", lá está, estava sempre a proteger o "pito" (lol)
bjocas

Mina disse...

Estrumpfina

Amiguinha, amiguinha, esta paga direitos de autor (lol)...Vou registar a patente ihihihih
Mas eu tambem gosto de destribuir este calor por todas vós...
Além de mais o Bruno gosta muito dos estrumpfos, devem ser do tempo dele...
Espera-mos continuar a receber os estrumpfinos ao longo do ano.
Bjocas

Luisa_B disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luisa_B disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
BrunoV. disse...

Cara Luísa,
Eu não ligo aos gatos e às bruxas. Isso de bruxas deve ser relacionado com o Halloween que é na noite do dia 31 de Outubro. Em relação a andar de comboio eu adoro por isso pode ser.


Hum!... Tens outro blog. Eu não sabia. Agora tenho uma música boa para lá pores. Vai ao site http://www.youtube.com/watch?v=Eoh3fKf9ftY&feature=related.
Beijos.

Visite www.arteautismo.com disse...

Luisa B, não sei quem é mais inteligente se es tu ou Bruno kkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Os dois me prendem com suas escritas,esta de hoje entao foi demais......
Esse pessoal que não entende coisa nenhuma, não esta na nossa pele , inventa de tudo.
Mãe Geladeira???????
è ruim hein?
Voce não esta com nada , seu tal de Léo Kanner!
Sou mais a afirmação não a teoria do Bruno. MÃE FOGUEIRA.
Estamos sempre acesas para nossos filhos.
Amei teu espaço Bruno.
Voltarei.......
Ray

Mina disse...

Olá querida Ray, como diria o meu Bruno "tu tás baralhada" (lol).
A mãe fogareira é a mãe Mina rsss.
É o que dá haver muitos Brunos,e este blog foi criado por ele e com vontade dele, mas é um bocado preguiçoso, e então para dar respostas" tou nem aí", è a mâe que faz as honras da casa ...
Mas adorei recebe-la aqui na nossa casinha virtual, é sempre um prazer. Temos sentido a sua falta.
Espero que logo, logo retome o seu blog, que faz muita falta, eu vou lá na Arteeautismo sempre vos visitar.Mas fica mais complicado comentar, ainda mais eu que não percebo disto.Tem aqui um post do Bruno para publicar,que ele já deixou o rascunho, fiquei de o colocar só que nem a foto sei colocar,por isso vou ter que esperar que ele volte.
Bjocas para si e "nosso" "Felipão", da mãe Mina e Bruno v

Grilinha disse...

Vim através das Furtadas e adorei este post !!!
Que sejas sempre uma fogareira...

Beijos quentinhos

Mina disse...

Grilinha
Obrigada pela visita, volte sempre, todas as mães tem a função fogareira, e a grilinha tbm o é pelo que eu tenho acompanhado, muitas felicidades para o JP, que tbm tem uma mãe com muito amor para dar...
Bjocas

Reflexões de Mamãe disse...

Que lindo, mamãe Fogareira!!!
Amei!!! Muito fofo!!!!!

Mina disse...

Reflexões mamãe

Sem dúvida que é melhor ser fogareira, do que geladeira :), agora isto vindo de um menino com perturbação do espetro autismo, é um abanão aos senhor Kanner ...
beijinhos

Reflexões de Mamãe disse...

Exatamente, Mina!!!
Aproveita esse pequeno tão lindo!!!!

Mina disse...

Reflexões mamãe

Obrigada mamãe! Este meu menino actualmente, está quase com 28 anos,já passaram uns 25 anos sobre a fogareira, mas ele continua a achar, que é mãe, é fogareira :)

beijinhos

Reflexões de Mamãe disse...

Que delícia!!! Apaixonante!!!

Mina disse...

Reflexões mamãe
obrigada.
beijinhos