Mãe e filho de mãos dadas trilhando os caminhos do autismo/asperger.
Numa partilha intimista e de coração aberto em sonhos e desalentos, numa vida vivida...
Ter um filho asperger não é o fim do mundo, mas o princípio de uma nova vida...
Valorizando os afectos...

quinta-feira, 7 de maio de 2009

Vergonha de ter vergonha

Que sentimento tenebroso, que me inquieta deixa desolada, angustiada, mas não o consigo evitar. Assalta-me uma vontade de chorar.
Vergonha não é do meu filho, que é lindo e o amo do jeito que ele é, sem ele a minha vida não faria o mesmo sentido...
Mas há atitudes que me deixam neste estado de acabrunhada.
Quando o seu comportamento vira a ridículo, detesto que faça figuras de "palhaço".
Costumo leva-lo a todos os locais públicos e é com muito agrado que vamos a palestras , tertúlias, gosta de estar, mesmo não estando muito atento, gosta de ver as figuras públicas os famosos :)).
Mas sempre que vamos para esses locais preparou-o para os assuntos e as pessoas que vão lá estar e essencialmente como se deve comportar, e tem-se portado sempre com maior razoabilidade, podendo surgir aqui ou ali, algum imprevisto que controlo na hora.Na maioria das vezes são as perguntas descabidas.
Ontem chegou ao pé de mim e disse-me:
Hoje esteve a RTP a gravar um "spot" publicitário, para a campanha do pirilampo mágico, e eu fiz de "emplastro", eu ainda nem vi as filmagens mas fiquei logo envergonhada.
Detesto que faça o papel do parvinho, que ele não é.
Eu sei que ele fica extremamente excitado com estas surpresas.
Tudo isto podia ser evitado. Se fosse avisado e preparado atempadamente, para a presença das câmaras de filmar, então andou há frente das câmaras para se mostrar.
Não o escondo mas não gosto deste protagonismo.
Quando o confrontei disse-me que era para ser famoso.
Não é que eu o queira mudar, mas há situações que se podem evitar, e não precisava de dar "bandeira".(Agradecia que para a próxima me avisassem, para eu fazer o trabalho de casa).
Não vale a pena continuar a testar o que já está mais que testado, as reacções ao imprevisto, que podem ser desta euforia, ou de medo.
Fico triste com estas atitudes, e ao mesmo tempo com vergonha desta tristeza...

7 comentários:

PDD-NOS (Menina) disse...

Mina, não fique assim.
Eu compreendo-a, mas para o Bruno foi uma festa.
Vamos encarar pelo lado positivo, ele se divertiu.
bjs Bete

Mina disse...

Bete,
Fico sempre preocupada, ainda para mais já sabem que ele não reage bem as estas alterações.
Podiam evitar, eu não gosto que ele faça figuras tristes e seja o "bobo da corte".
Felizmente já passou a reportagem, e ele mal se viu,e nem sequer estava de "bobo" nessa curta passagem.
E como cada vez sinto mais que no CAO, ele está a regredir.
E não vejo outra saída senão a casa, e isso também me deixa atormentada.
Obrigada, essa parte já passou, mas as preocupações continuam...
Bjos

Visite www.arteautismo.com disse...

Mina,
ah querida como entendo voce.....
Pois acontece o mesmo comigo....
A gente sabe que cada autista e cada aspie é único. Cada um reage de acordo com sua estrutura interna.
Mas numa coisa são bem parecidos.
Carecem de maldade,possuem uma pureza e descompromisso com social que nos deixa desnorteada.
E como eles muitas as vezes não se adequam aos padrões dos ditos normais , sobra pra nós mães a tarefa dificil de educa-los nestes ambientes.
Isto gera augústia em nós. Estarei eu invadindo sua intimidade? Quem foi que estabeleceu como deve um aspie ou autista se comportar?
Ou a gente pensa: Que se dane todo mundo, ele pode ser ele mesmo qualquer dia e hora em qualquer lugar que eu vou apoiar.
Mas isso vai gerar muitos cochichos, risinhos e piadas.
Meu Filipe vez em quando faz uns movimentos desses em shopping e eu digo_ Pára nao faz assim, tem de se comportar senão vai ficar em casa.... e ele faz mesmo assim . Aí tenho de dizer - Filipe -não e nãooooo.....
Isso acontece depois de almoço a um restaurante , um sorvete, um lanche, ele insiste que quer mais e pede com o dedo o garçom o que quer.
O garçon diz: Eu trago pra ele , deixa mãe.....
Eu falo:- não, ja comeu o suficiente.....
Mina com a colaboração do garçon ele insiste com o dedo e faz uns Phiphiiiiiii....rs rs
Todo mundo olha, e racho minha cara....
Ae eu digo alto: Chega Filipe, voce não pode mais...e Sr. garçon, traz a sobremesa por favor....
Agora tu imagina o tamanho dele 1.87 m de altura e eu com 1.50 m de altura?
O pai fica quieto, deixa o detalhe sórdido pra mim rs rs rs ....porque Filipe obedece mais a mim. O pai sempre passa a mão na cabeça dele.
Mina Filipe esta acima do peso, se eu deixar , ele pode fixar doente e ter problemas de coração.
Mas dói fazer isso , porque para Filipe um dos seus únicos praseres é comer...
Mas não vou nunca deixar de sair. Muita gente já nos conhece e Filipe é o queridinho dos restaurantes.......e muita mãe que tem seus filhos normais e não conseguem lhes dizer o não me elogiam. Eu aprendi com a psiquiatrra dele que o não é necessário para se estruturar.
E eu, voce Mina , somos manteiga derretida quando falamos para eles se comportar é visando seu bem estar futuro.
Pena que nosso coração dói nesta hora.
Enfim tem de ser assim......
Beijos para meu querido Bruno e diga para ele que não fez nada de demais, afinal quem não quer ser famoso?
Beijos.
Ray

Estrumpfina disse...

Minha querida, não tem de sentir vergonha dessa tristeza que sente.

É a mesma tristeza que eu sinto quando me apercebo que sou impotente para mudar algumas coisas como a intangibilidade da Cathy em algumas circunstâncias ou aqueles olhares que ainda há dias mencionei no meu blog.
Amamos os nossos filhos, não queremos que sejam tidos como coitadinhos nem nós somos coitadas.

um grande beijo

Mina disse...

Querida Ray
Parece-me que só mãe de autista ou com outra perturbação entende que nossos filhos, são gente, e não são "bandeiras", para toda agente olhar como espécie rara.
Temos um longo caminho a percorrer, eles andarem em locais públicos, já é um principío de abertura ao mundo, que nos compete a nós pais.
Nenhum pai tem vergonha do seu filho, julgo eu, ainda por cima estes maravilhosos seres que Deus pôs no nosso caminho.
Claro que depois me arrependo sempre, de ter estes sentimentos se eu amo de qualquer jeito, porquê que os outros, me hão-de interessar.
Vou tentar gerir melhor, embora eu sempre o faça, de modo a que ele melhore o seu comportamento, sem deixar de ser ele. Temos uma vida inteira para educar, e nestes nossos casos sei que cansa , mas repitir-lhe sempre os valores é nossa função.
Um beijão para os dois Ray e "Felipão", com esse tamanhão xD

Mina disse...

Estrumpfina
Acho, que só meia dúzia ainda está preparada , para esses olhares eu por mais que viva, não consigo digerir estes olhares e observações de que os nossos filhos são coitadinhos ou nós.
Com a idade do meu filho e com esta já longa passagem , já devia estra treinada para isso, e até acho que estou, mas quando eu estou por perto, consigo controlar ou desviar estes comportamentos desajustados para outros, mas normais para eles.
Acho que é também função de quem lida com eles fora do circuito familiar, fosse dar continuiedade a essa preparação. e no caso deles que mudam com uma pequena alteração, não custava nada avisarem...
E a minha maior vergonha não é ele, é a sociedade não estar preparada que faz com que eu fique com vergonha.
bjocas

Mina disse...

Ray
Não sei se ficou percetível , mas o que eu queria dizer é que só mães que tem filhos autistas, ou mães que tem filhos com outras patologias , são capazes de entender tão bem o que nós sentimos.
Acho que é condão dos nossos ,filhos terem nos transformado em pessoas sensíveis.
Sim minha amiga tem mesmo de controlar esses impulsos, de querer comer, e estes sentimentos de culpa que ás vezes temos é só porque lhes queremos muito bem, e se por um lado os queriamos vê-los satisfeitos com tudo o que eles gostam e querem, mas temos de ter algum controle e regular pelo melhor esses apetites, como eu a entendo,custa mas tem de ser para bem dele, o meu também já está ficar barrigudito.
bjos para sim e Felipe e bom fim de semana