Mãe e filho de mãos dadas trilhando os caminhos do autismo/asperger.
Numa partilha intimista e de coração aberto em sonhos e desalentos, numa vida vivida...
Ter um filho asperger não é o fim do mundo, mas o princípio de uma nova vida...
Valorizando os afectos...

terça-feira, 26 de maio de 2009

Autismo-Sindrome de Asperger... Onde fica a "fronteira"?!...



Achei este vídeo muito fofo, e fica aqui bem :)))

Não é para mim totalmente clara esta fronteira .
Nem me parece que para os pais o "rótulo" seja o mais importante, os filhos tenham a patologia que tiverem, são sempre as nossas maiores "obras", sejam António, João, Miguel, Bruno, são eles que nos fazem bater mais forte o coração.
Por mais que pesquise, que leia não encontro uma linha divisória, que os separe muito bem delimitada,( onde acaba o Autismo e começa a Síndrome de Asperger).
Na minha opinião e apenas nessa vertente de opinião, o que os distingue é a parte cognitiva, mas nem disso tenho a certeza.
Até porque os comportamentos que eu conheço são apenas os do meu filho, e que não tenho dúvida que estão dentro do espectro do autismo.
Desde os 3/4 anos que nos surgiram as primeiras suspeitas, que foram reforçadas com a entrada o colégio aos 4 anos para a classe infantil.
Tornou-se um ser enigmático para todos, educadores e pais.a socialização era pobre, mas as capacidades de aprendizagem e memorização eram excelentes.
Era um caso raro por descobrir, todo o nosso percurso tem sido feito com base na intuição, e no amor incondicional...
Não havia informação...
E agora?!....Fazem se conferências congressos aos quais a maioria dos pais não tem oportunidade de assistir, e depois nem tem acesso há informação, que não é transferida pelo circulo dos que assistem, o que é uma perda.
Quem são afinal os maiores interessados?!...

As diferenças que eu encontrei foi, e que passo a transcrever:
-O transtorno de Asperger diferencia-se do autismo essencialmente pelo facto de que não se acompanhar de retardo ou deficiência de linguagem ou desenvolvimento cognitivo.
-A diferença fundamental entre um indivíduo com autismo de alto funcionamento e um indivíduo com transtorno de Asperger é que o com autismo possui QI executivo maior que o verbal e atraso na aquisição de linguagem. Na prática clínica a distinção fará pouca diferença, porque o tratamento é basicamente o mesmo.
Não me recordo da fonte ,desta transcrição, ressalvo os direitos de autor.( desta última parte)

16 comentários:

Mrs_Noris disse...

Bom Mina,
Apesar do atraso que o meu filho sempre teve na linguagem - fez terapia da fala durante 4 anos - tenho absoluta certeza de que Autismo ele não tem.
Eu procuro a fronteira entre Asperger e não Asperger. Não tenho dúvida que o meu filho é diferente, mas as características que hoje apresenta serão suficientes para completar o diagnóstico de Asperger?
Adoraria que houvesse consenso, mas não há.
Beijo.

Mina disse...

Noris
De facto quer-me parecer que existem muitas dúvidas, até na comunidade médica.
Embora cada um de nós sabia mais sobre o seu caso pessoal.
E com essa informação é que são traçados os diagnósticos, pelos especialistas.
No caso do Bruno ficou realmente a dúvida da Síndrome de Asperger ou Autismo de alto funcionamento , o que para mim não têm nenhuma importância, se é uma coisa ou outra.
É o que é, e isso é o que me importa.
Agora fico um pouco inquieta, que se sabia metódos e formas de lidar diferentes, para cada uma das patologia e fique essa informação retida, apenas naqueles que têm oportunidade de assistir ás palestras e conferências sobre a temática.
E que essas "mais valias", não sejam passadas á comunidade interessada,( pais professores e educadores).
Devo aqui honrar que eu tenha dado por isso, a nossa amiga Maria Martin, que fez um excelente trabalho, publicado no Planeta Asperger, sobre a Conferência de Tony Attwood em Lisboa. Que de outro modo ficaria também só naquele núcleo, de quem pode assistir. Obrigada mais uma vez á Maria, por essa partilha.
bjocas

prof. Anabela disse...

Boas tardes,

Tenho na minha sala de aula uma criança com autismo e outro que tudo indica que tem Asperger, estando em fase de avaliação. São muito diferentes e penso que cada um deles corresponde ao "estereótipo" das suas situações clínicas.
O menino que aparenta ter Asperger acompanha a turma em todas as aprendizagens tipicamente "académicas" e até foi o primeiro a aprender a ler. No entanto, tem imensa dificuldade na expressão dos seus sentimentos (ri e chora muitíssimo, não havendo meios-termos) e não procura a companhia dos colegas para quase nada. É tb pouco autónomo e só faz perguntas quando sabe a resposta. Tem um atraso na fala, que não corresponde a um atraso global da linguagem (porque escreve, lê e compreende o que escreve, mas tem dificuldades de articulação).

O menino autista vive no mundo dele, que é à parte do nosso e especialmente à parte do dos colegas. Não procura nem QUER a companhia dos outros, tem dificuldades cognitivas severas e não fala connosco.

Por isso, penso que há duas diferenças-chave: a questão cognitiva (acompanha/não acompanha) e a questão do bloqueio social por (pouco interesse na relação / recusa da relação).

Será que ajudei?
Eu própria tb tenho as minhas dúvidas... mas conehcendo ambos são totalmente diferentes.
Porém, ambos precisam de nós! Como qq criança!

Mina disse...

Olá Prof. Anabela

Claro que ajuda, todas as opiniões são muito importantes,e ajudam a discussão, e no caso da professora que tem esses dois casos, é mais fácil ter termos comparativos.

Embora eu em termos de autismo clássico de Kanner também saiba distinguir, embora não conheça nenhum caso pessoal, a barreira está nos considerados com Autismo de alto funcionamento e a Síndrome de Asperger , não há uma linha defenida, e penso que dentro do mesmo espectro haverá muitas variantes.

Revejo o meu filho nessa sua descrição do Asperger durante a escolaridade, apesar de não ter dificuldade na articulação, tinha e ainda tem dificuldades de compreensão nos sentidos figurados. E nada mas mesmo nada de jogos de faz de conta, que continua a não perceber, quando as pessoas estão a fingir.

Todos os meninos precisam de nós até os ditos "normais", mas estes cada um com as suas particularidades, precisam de ser estimulados de forma diferente, procurar a forma de chegar a eles é muito importante, eles muitas vezes sem olhar têm a sua gratidão ,que por vezes não sabem expressar, é uma parte muito importante também para lidar com estes meninos a parte afectiva, um abraço mesmo que pareça ser rejeitado sempre ajuda.

É muito importante que haja na educação pessoas como a prof. Anabela, que se empenhe em entender estes meninos, que acabam por encher o coração, o meu ainda fala muito da professora do 3º. e 4º. anos de escolaridade, a prof Isabel para ela vai também o nosso beijinho.

Obrigada, por nos ter visitado e deixado a sua experiência tão valiosa

Bem Haja

Visite www.arteautismo.com disse...

MINA????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????? Mina cadê voce?
Cadê Bruno?
Nos esqueceram??????????
Buáaaaaaaaaaaaaa.........
Ray

Mina disse...

OI Ray!...
Tamos aqui!... Tá ver a maõzinha a abanar somos nós a saudar...rssss
E diaramente damos um pulinho na vossa casinha, não nos vê, não?!...xD
Bruno fala muitas vezes em si, que quer saber dos climas aí de terras de Vera Cruz, para fugir ao calor que ele prevê no Verão.
Ainda hoje falou nisso, acho que tenho de o pôr a "bater papo" consigo xD.
Espero que esteja tudo bem por aí consigo e com o "Felipão"
Bjocas para vocês e apareçam mais vezes gostamos de vos ver por cá
Xi....s

mariamartin disse...

Cara Mina,
Antes do mais agradeço a referência ao resumo da conferência do Tony Attwood e na verdade tem sido para mim um bom instrumento de "trabalho" com o meu filho.Ás vezes vou reler algumas partes, mais não seja para dizer a mim própria "é mesmo assim, tem paciência!"...
Partilho das suas dúvidas quanto à fronteira entre a SA e o Autismo de Alta funcionalidade mas parece-me tb que no segundo caso, pese embora a capacidade intelectual,a faceta autista é mais marcada que nos SA.
O meu está a passar muito bem esta fase de pré-adolescência,melhor do que esperávamos, tendo evoluído bem na interacção social nas diversas actividades.Mantêm-se contudo as mesmas limitações afectivas, de localização espaço tempo e aquelas "esquisitices" de que às vezes falamos.
Na escola temos contado com um excelente apoio da Directora de Turma que nos mantém ao corrente de alguma ou outra alteração no comportamento dele.
Os meus aplausos tb à Prof.Anabela pela sua sensibilidade e interesse...
Beijokas para si e parfa o Bruno
mariamartin

Mina disse...

Maria martin
A referência é merecida, pois as informações são uma mais valia...
E fico muito feliz de a ver por cá, e a sua colaboração é preciosa ainda neste mundo por desbravar, e não são facilmente entendivéis, crianças ou adultos, com capacidades intelectuais na média ou acima da média, mas que ao mesmo tempo tem um discurso pedante, e alguns comportamentos com as tais "esquesitices".
Cabe-me -nos a nós tentar ajudar a desmistificar esta síndrome, que são pessoas que podem saber onde fica mais longinguo país, as localizações dos rios ou oceanos e sei lá que mais, tanto conhecimento encaixotado, mas apenas vago e tipo estatístico. e por outro lado podem andar com uma figura mal "ataviada", não saber usar o talher correctamente, não apertar os atacadores dos ténis enfim , coisas básicas para qualquer um.
Fico muito contente que esteja tudo a correr bem para Além-Tejo, com o seu rapaz, e a colaboração da DT é muito importante para uma maior segurança dos pais e dele próprio.
Beijocas made em Caldas

Anabela disse...

Novamente eu...

Ainda a respeito dos sentidos figurados (e respondendo tb ao que escreveu no nosso Blog), vou contar-lhe uma história caricata e quase engraçada, se não se tratasse de uma situação grave, devido à problemática do nosso menino "talvez-Asperger":

Chega-se ele perto de mim e pergunta-me pelo caderno de trabalho... Eu, já com pouca paciência devido ao dia complicado, respondo-lhe:
"- Está aqui no meu bolso!"
O rapaz sai com ar atrapalhado e eu a pensar (e bem!) que eu já tinha feito disparate. Passados uns minutos vem ele perto de mim e pergunta-me:
"- Onde está o teu bolso??"

Sem mais comentários...
Há dias em que eu só tenho vontade de me auto-mutilar.......

Mina disse...

Prof. Anabela
Não tem de se auto-mutilar xd...
Até porquê essas situações são muito comuns,e quando são assim pequenos até se pode levar pelo lado da ingenuiedade e da crença.
Mas quando já são adultos e acreditam da mesma forma, a coisa é mais complicada, e contamos com mais professoras Anabelas e pessoas que consigam entender que não é gozo, mas pura crença...
Agora aqui só entre nós o "menino", homem, ainda ontem o pai estava a vestir o fato de banho nestes dias de calor para andar por aqui mais fresco.
E o pai diz-lhe que é para ir dar um mergulho na piscina, ele vai espreitar á janela para ver onde está a piscina xD (também porque no Verão costumamos arranjar daquelas insufláveis) lool
Essa nuance acompanha-os ao longo da vida.
Bjocas

Mundo Interior disse...

Saudações,

Nós somos alunos do 12º ano na área das ciências e tecnologias e no âmbito da disciplina de Área de Projecto estamos a desenvolver um projecto sobre o tema “Autismo e perturbações do desenvolvimento das crianças”.
O nosso grupo designa-se Mundo Interior e no decurso do nosso projecto temos vindo a desenvolver um blog (http://mundointerioreso.blogspot.com/) que pretende ser um fórum participativo e informativo, que contenha artigos elaborados por profissionais e pais que, pelo seu conhecimento e prática diária, possam contribuir para a divulgação do tema escolhido e para o progresso do nosso trabalho.
Assim gostaríamos que participasse no nosso blog e nas actividades que iremos desenvolver (a anunciar brevemente no blog).

O grupo,
Mundo Interior

Paty disse...

Oiii axei seu blog, pesquisando na net...

adoreii

pois tnho um irmão autista..

sou casada...

tenho 21 anos, meu irmão 15, ms a mentakidade menor neh..

estou procurando blog... para qndo minha mãe vir aqui ela poder ler...pois ela smpre teve uma vontade de ter contato c/ pessoas q tenham filhos autista, p/ saber como eh...

bjs...

vou estar smpre por aki...

estou seguindo...

Mina disse...

Olá Paty
Bem vinda, aparece sempre que queiras e ainda bem gostaste...
Tirando alguma informação que foi recolhida em fontes seguras...
Tudo resto é a nossa vivência de uma familia normal que convive com da melhor forma que é capaz com o autismo/SA, sem reservas e com a maior sinceridade...
Boa sorte para vocês que corra tudo bem com o teu irmão...
Aguardo visita da tua mãe então!...
bjocas para todos

Crianças Especiais disse...

Crianças Especiais: Pequenos Anjos Disfarçados entre nós!

Crianças Especiais seriam somente o que aparentam fisicamente, ou estariam disfarçados a serviço da GRAÇA, no propósito de distribuir sorrisos mágicos e nos ensinar inúmeras lições?


Leia os Quadrinhos acessando o Site!

http://www.criancasanjosespeciais.com.br

Mina disse...

Crianças especiais...
Obrigado pela visita. Irei tomat nota do link...
bjinhos

susana disse...

visitem a página k eu tou a fazer no facebook e comentem ou deem mais informações http://www.facebook.com/#!/groups/180429835304474?ap=1