Mãe e filho de mãos dadas trilhando os caminhos do autismo/asperger.
Numa partilha intimista e de coração aberto em sonhos e desalentos, numa vida vivida...
Ter um filho asperger não é o fim do mundo, mas o princípio de uma nova vida...
Valorizando os afectos...

terça-feira, 3 de maio de 2011

"Comunicação"


È natural a dificuldade de comunicação nesta síndrome.
E conseguirem perceber os sinais, quer verbais, quer não verbais...

Mas nem por isso deixo de tentar, é sempre um risco para ele.

Este fim de semana estávamos às compras a mãe para despachar tirou a senha da peixaria e da charcutaria, que eram lado a lado, as previsões é que seria chamada para os dois locais ao mesmo tempo...

Como tal preparei o Bruno para charcutaria que era só um artigo, junto à vitrina disse:lhe: Pedes 300 g deste fiambre e apontei para o dito:-)))

Qual quê!!! Deu "corda aos sapatos" e foi á procura do pai, que este pedido seria difícil para ele principalmente porque não faz parte das suas rotinas e não conhecia a senhora da charcutaria...

Se eventualmente a senhora lhe dissesse tem 320g pode ser?!!! ele ficaria em dúvida!!!

Provavelmente gritaria para me perguntar, se podia ser...

E lá tive de tirar outra senha.

Mas, não escapa de uma próxima tentativa!!!:-)))

6 comentários:

Atena disse...

Ao ler este teu texto, revi-me naquilo que tantas vezes já fazemos ao Vasco... Vamos ao supermercado e tentamos prepara-lo para que um dia seja capaz de fazer umas compras. Queremos ensinar-lhe estas pequenas coisas do dia a dia e percebemos sempre como tão obvias as suas imensas dificuldades. Também escolho a charcutaria porque já é conhecido lá - digo-lhe para ir confirmando o numero da sua vez e vou vigiando... digo-lhe que peça 200 grs. de fiambre fumado... Ele repete sem olhar a senhora nos olhos e num tom diferente dos demais: "quero 200 grs de fiambre DEFUMADO!"... depois, à minima observação da senhora, perde-se.
Fazemo-lo tantas e tantas vezes, nunca desistimos, mas vai-se levantando perante nós a evidencia: Estas pequenas coisas são-lhe de uma dificuldade e complexidade extrema! O sacrificio que faz é imenso e os resultados são sempre tão pequeninos... (Mas "tamos" lá).

Por isso oiço este teu epísódio, com o Bruno e imagino-nos - daqui a uns anos - a fazer rigorozamente a mesma coisa e com a mesma fé e força!
Beijinho grande

Mina disse...

Atena
A nossa vida passa por essa persistência, e acho que está sa fazer um bom trabalho, quanto mais cedo melhor, eu não comecei cedo com o Bruno, como também não faço com a irmã, mas nela a necessidade há-de aguçar o engenho...
Ele tem de ter muito treino, e mesmo assim a parte da comunicação fica sempre limitada o que obrigue a ter interlocutor que o perceba, se do outro lado balção estivesse uma de nós talvez soubessemos lidar com esta lacuna embora sejam todos diferentes...
Mesmo assim tem havido evolução ainda não há muitos anos, o Bruno nem sequer descolada de nós e se nos perdesse do campo de visão ficava logo aflito...
Agora já lhe consigo pedir lhe para ir buscar algum produto enquanto eu fico noutro local, ou ficar na fila para pagar enquanto vou buscar coisas de última hora, o que anteriormente era impensável... Talvez um dia destes venha aqui escrever que ele conseguiu pedir algo...
o Vasco vai lá chegar eheheh e secalhar nem se preocuparia com uns gramitas a mais:-)))
bjinhos

Fê-blue bird disse...

Prima amiga:
Hoje as palavras vão ser de Louis Pasteur:
"Sejam quais forem os resultados com êxito ou não, o importante é que no final cada um possa dizer: 'fiz o que pude'."
Obrigada amiga pela tua preocupação com a minha saúde, já estou a recuperar, mas apanhei um valente susto, acontece ;)

Beijinhos

Mina disse...

Prima Fê!!!
Palavras sábias as reproduzidas por Pasteur e nem sabia que era dele essa frase...
È mesmo isso faz se o que se pode:-)
Ainda bem que estás melhor,e temos de ir tomar o chá p'ra pôr a conversa em dia, depois mando-te mensagem private... bjoquinhas

AVOGI disse...

pus-me a ler os comentários e perdi-me ma retive uma coisa que digo sempre: se há uma mãe persistente...és tu.
parabéns ó mulher que nao cruza os braços. ador vir aqui ler estes textos da vida diária com humor tb e com determinação na conquista de um lugar na sociedade
kis .=)

Mina disse...

Avogi
Obrigada, pela sua companhia sempre tão simpática... e persistente que nós gostamos... e ficar a conhecer e transmitir mais sobre as dificuldades básicas dos portadores deste espectro....
bjocas