Mãe e filho de mãos dadas trilhando os caminhos do autismo/asperger.
Numa partilha intimista e de coração aberto em sonhos e desalentos, numa vida vivida...
Ter um filho asperger não é o fim do mundo, mas o princípio de uma nova vida...
Valorizando os afectos...

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Viagens de "bike"

Ainda sobre as viagens de "bike", quando vamos os 3, pai e mãe na "tandem" e o Bruno na de carga(3rodas), nunca aprendeu a andar nas de duas rodas ( por falta de paciência de um pai).
Dada a dificuldade dele circular na berma, entrar nas rotundas e nos cruzamentos, a mãe vai sempre com o coração nas mãos, porque ele acaba por ir por sua conta e risco...
Vou sempre atrás a manda-lo encostar, e acabo por irritar o pai...
Há dias foi com o pai ao centro da cidade, quando o pai chegou e me disse:
Que hoje até ele ficou com o coração nas mãos, ele que também é um bocadinho "à toa", e esteve me a contar algumas ocorrências.
Num cruzamento o pai diz para ele arrancar, só que além deste tipo de "bike" ser mais lento no arranque, também o processamento que o Bruno faz da informação é mais lento que o comum. Como tal ao arrancar já tinha uma viatura quase em cima dele, ainda teve de travar.
Outra situação numa passadeira com peões a atravessar ele não parou.
Quando o pai o chama á atenção, que poderia ter atropelado os peões.
Ele responde ainda bem que não atropelei...
A noção da perigosidade das situações é desconforme...

8 comentários:

Homesick Green Alien disse...

Bom... Tá visto que o Bruno não é nenhum 'Joaquim Agostinho'. E que tal mudar pró Sporting, hein? Isto de andar em cima duma 'bike' com a camisola verde e branca e leão rampante ao peito impõe logo mt mais respeito!... ;)

Saudações desportivas!

Dulce Bregas disse...

Olha olha...que bela ideia me deste...se bem que o Francisco não gosta é de pedalar...já pensei compra uma trotineta,mas ele diz que não quer,ou uma bicicleta sem pedais,que já vi e é muito gira,trabalhava então somente o equilíbrio,mas isso ele tem de sobra(mostra na hidro)...bolas,fiquei com inveja de vocemessês...
Eu sou como tu...sempre um stress,sempre a alertar,e o pai a ralhar comigo.Enfim...beijocas!

Mina disse...

Greem
:-) Secalhar é por ele pensar que é uma Águia que voaria por cima da passadeira :)))
O Leão afungentaria os peões eheheh

Muita falta de atenção, é o que é. ainda por cima o pai agora montou-lhe um velocímetro, agora vai sempre a controlar a velocidade e a perguntar ao pai a que velocidade ele vai eheheh e depois o resto não conta é uma distracção pegada...
bjocas

Mina disse...

Dulce
Se o Franscisco têm equilibrio não é necessária uma destas, que são muito mais pesadas, (em todos os aspectos) e ainda esta tem mudanças senão ainda tinha de que a vir a empurrar eheheh
Tenho pena que ele não tenha aprendido em pequeno, estava quase a conseguir, mas como de quando em vez andava na bicicleta e viajava p'ra a "lua" e esqueciasse que estava em cima dela.
O pai que sempre foi um acumulador de paciência ao contrário, desistiu também não sei se resultaria!...
Ele queria muito esta chegamos a ir a Águeda à fábrica p'ra trazer, mas na altura, não tinham, além demais os preços lá eram mais caros:)))
Coração de mãe é mole, muitas vezes prefiro não ir, que sou ao contrário do pai estou sempre a ver perigo eheheh
bjocas

AVOGI disse...

espero nao encontrar esse pedelador pelos caminhos de Portugal. chiça que perigo
kis :)

Mina disse...

Avogi
È sair da frente mesmo eheheh,
aquilo tem travões, só que o meu pequeno estava numa subida e não tem como fazer ponto de embraiagem, ainda vinha era de arrecuo, tinha mesmo de sair e colocar os pés no chão...
Mas isso era movimentos a mais, para ele agir assim rápido.
bjocas

Fê-blue bird disse...

Prima ;-)
Compreendo-a muito bem.
O meu filho tirou a carta de condução à pouco tempo e eu tenho sempre a impressão que vou ter um ataque cardíaco cada vez que ele conduz( porque ele não tem a reacção certa no momento certo e isso pode ser muito grave).
Acho que o coração das mães deve ter uma válvula de segurança para conseguirmos ultrapassar estes momentos :-)

Beijinhos

Mina disse...

Prima Fê
Coração de mãe não tem cura...
É sempre a mesma coisa, grandes ou pequenos estamos sempre preocupados com eles.
E com um carro nas mãos a aflição ainda é maior, mas isso passa com prática.
bjocas