Mãe e filho de mãos dadas trilhando os caminhos do autismo/asperger.
Numa partilha intimista e de coração aberto em sonhos e desalentos, numa vida vivida...
Ter um filho asperger não é o fim do mundo, mas o princípio de uma nova vida...
Valorizando os afectos...

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Decisões

Como qualquer comum mortal, quando temos de tomar decisões temos de as ponderar muito bem, pesar os prós e os contras, ainda mais, quando a decisão implica o outro.
E como é natural, todas as decisões referentes à vida do Bruno é a mãe que as toma.
Mas ele nunca fica de fora do assunto, embora muitas vezes o baralhe com estas conversas, porquê não posso tomar as decisões num ápice, e nem sempre lhe posso referir o dia ou hora em que as coisas possam ocorrer...
E ele que gosta tanto de certezas, datas concretas.
O meu esquema do depois decidisse. Para não lhe criar expectativas e depois não as poder cumprir, deixa-o muito inquieto...
Numa destas nossas conversas, ele mostra-me um pequeno texto de banda desenhada que aqui partilho convosco.
Como que a quer dizer me, mãe aqui tens algo que te pode ajudar a decidir.
Acho a historinha deliciosa para qualquer um, mas tem tudo a ver com a decisão que temos de tomar em conjunto...





Este pequeno texto de banda desenhada, foi retirado do livro "Crescer a Brincar" de Paulo Ferreira - Bloco de actividades para a promoção de ajustamento psicológico
Click nas imagens para poder ler,estão por ordem crescente.

9 comentários:

Grilinha disse...

História deliciosa e muito cómica !!!
Que giro ter-te mostrado isso...
Agora já estás mais informada antes de decidir o que quer que seja ! Beijinhos

Mina disse...

Grilinha
Como pequenas histórias, podem ter esta intenção.
Não sei se ele a escolheu só por tinha explicíta a palavra "Decisão", penso que sim que foi por aí que ele fez a escolha.
Nós também temos de sair da rotunda, e perder a prioridade, que senão o fizer-mos corremos os risco de se acabarem as cenouras e não poder-mos saborear algo diferente.

A história tem os passos de reflexão, dentro do infantil estão demarcados todos os passos...
1º-Enunciar o problema
2º-Pensar nas opções
3º-Pensar nas consequências
4º-Decidir(é sempre a mais difícil) kkk
Bjocas

avogi disse...

Em todos os dias,horas,momentos da nossa existência há que tomar decisoes. Algumas boas outras más, mas que quando as tomámos, achámos que eram as melhores.O que seria de nós se deixássemos essas tomadas de decisões para os outros? Para onde iriamos nós sem rumo, sem nexo , sem vontade própria. Sim, que as decisões devem ser sempre por vontade própria e não impingidas. kisses

Mina disse...

Avogi
O problema maior é que nas decisões referentes á vida do meu Asperger, terão que sempre os pais ou outro alguém a tomar as decisões.
Nunca terá autonomia suficiente para o fazer,como em tudo que estiver pela frente terá sempre de ser orientado, e chamado a opinar sobre o assunto...
Mas a hora "H", e a palavra final compete sempre aos progenitores.
São portanto decisões mais difícies de tomar.
Como bem diz temos de dar um rumo, que achamos evidentemente o melhor.
E ás vezes é melhor nem pensar muito kkk e avançar ( o que não é o meu caso)...
Bjocas

Estrumpfina disse...

Bem giro!

Hei-de procurar esse livro.

bjs

Mina disse...

Estrumpfina
Curiosamente o Bruno já tem o livro há anos a edição é de 2002,kkk
Foi uma amiga que lho ofereceu, e eu nem nunca tinha ligado, mas o ele chamar-me a atenção para esta historinha achei muito interessante.
E nem sei se ainda haverá à venda, mas deixo-te aqui o link se quiseres saber mais, fui agora pesquisar nem sabia que era tão caro lool
bjocas

http://www.quarteto.pt/olivro/default.asp?PnIDLivro=47

Estrumpfina disse...

Xiça!

Está bem que é um livro grande mas não era preciso ser tão caro...

bjs e obrigada pelo link

Margarida disse...

Acho que o seu filho lhe deu ima boa feramenta para decisões futuras. Segui atentamente a história e achei uma delícia.
Bjs

Mina disse...

Margarida
Acho o livro muito adapatado a idades menores e próprio para pais e educadores, é de facto uma excelente ferramenta de apoio...
E no caso dele até fiquei impressionada pela referência, uma vez que eles têm sérias dificuldades em entender algumas situações básicas...
bjocas