Mãe e filho de mãos dadas trilhando os caminhos do autismo/asperger.
Numa partilha intimista e de coração aberto em sonhos e desalentos, numa vida vivida...
Ter um filho asperger não é o fim do mundo, mas o princípio de uma nova vida...
Valorizando os afectos...

quarta-feira, 3 de junho de 2009

Quem me dera ter asas!...


E poder voar...
É sempre a mesma coisa todos os anos por esta altura, fico com esta dupla emoção de o ver partir e sentir esta quebra. Esta saudade!...
É uma saída programada, mas que interrompe um elo muito forte...
E que nos deixa a ambos num misto de querer e não querer...
A distância é apenas física.
Porque os laços afectivos esses são inquebráveis.
Quem semeia, colhe e esta nossa relação de dependência pode até ser "doentia"!...
Mas não posso deixar de o mimar...
Até porque ele não procura os afectos, somos nós é que temos de lhos dar.
Claro que comigo é diferente. Principalmente aquando destas separações ele não me quer largar.
E eu confesso também tenho dificuldade em o soltar.
Mas estou feliz por ele, que fez o seu baptismo de voo. Que tanto queria experimentar.
E agora também há sempre um telemóvel a acompanhar, para podermos comunicar.
E logo há chegada o meu rapaz ligou-me, para o coração da mãe descansar.
Acho que vai gostar, e trazer muitas novidades para contar..
Até lá coração de mãe vai continuar a palpitar...
Será que algum dia me vou habituar!?...

No ano passado foi assim

8 comentários:

Mrs_Noris disse...

Imagino que deva sentir um enorme aperto amiga. Mas dizem - e acredito que sim - que estas separações são saudáveis. Fazem-nos crescer.
Eu ainda não consigo conceber tal coisa. :)*

Estrumpfina disse...

Ui, nem me imagino nesse lugar! Calculo o quanto custa...

Umas boas férias para o Bruno, aproveite para se mimar.

Bjs

Mina disse...

Noris
Isto mãe, é mãe até morrer, e estas separações causam sempre este "friozinho", mas fortalecem-nos é uma prova que conseguem sobreviver sem nós, mas não é a mesma coisa rsss.
Mais com ele que é que me sinto assim por ele ser mais indefeso. Será o meu "eterno menino",e nem todos tem facilidade de o perceber.
A forma de comunicar dele, que pode parecer fluente esbarra em muitas dificuldades quando não consegue acompanhar o discurso...
E nos afectos ele também não os pede só se lhos derem lool
E a menina têm muito tempo para se habituar, além de que o M, vai ser muito mais autonomo, o que passa a dar outra tranquilidade.
Bjocas

Mina disse...

Obrigada Estrumpfina
O importante é eles estarem felizes, mas as mães "corujas" como nós, ficam sempre a suspirar.
Agora estou desejosa que ele volte,contente com muitas aventuras para contar...
Até o lugar vago na mesa, me faz pensar...
Acho que esta é uma doença da qual nunca me vou curar xD
Bjocas

mariamartin disse...

Querida amiga,
Espero que como mãe galinha já tenha notícias do seu pintinho e esteja mais tranquila...Vai correr tudo bem!
Beijokas!
mariamartin

Mina disse...

Mariamartin
Logo que "poisou", o meu rapaz ligou,fiquei logo mais descansada, nos outros dias tem sido a mãe a ligar.
Ele está a gostar, e faz-lhe bem, mas não deixo de sentir a nostalgia.
Parte da nosssa conversa esta manhã,então estás a gostar?!.. Resposta:
Ontem viajamos de carrinha pela cidade que têm p´ra aí uns 100 tuneis, as lojas do centro comercial fecham ás 22 horas, e o Pingo doce fecha ás 23 horas, e já estava a encerrar quando nós estavamos a jantar...
Já estou a ver o Bruno a stressar, com medo de lá ficar, (dentro do supermercado) xD
Já fiquei com o primeiro saldo numérico rssss
A conversa continuou com as trivialidades, da comida e da dormida...
Há manhã há mais...
Bjocas, ora hoje pode ser trouxas de ovos rsss, já a estou a ver a engordar looooooooooool é tudo regional:)))

Anabela disse...

O seu post fez-me lembrar uma música de Sara Tavares, "Voá Borboleta".

Se me permite... http://www.youtube.com/watch?v=fktj8UjzUFU

Mina disse...

Obrigada prof. Anabela
Fui escutar a música, que desconhecia, porque normalmente baseamo-nos na música mais comercial.
Retenho, as frases "a cada dia voa", todos suponho precisamos de voar um pouquinho cada dia nem que seja em pensamento.
E "abrir as asas" , no sentido da liberdade e libertação, fica por aqui esta minha interpretação.
Embora eu nem sempre consiga essa função, pelo meu instinto de protecção...
Bjocas