Mãe e filho de mãos dadas trilhando os caminhos do autismo/asperger.
Numa partilha intimista e de coração aberto em sonhos e desalentos, numa vida vivida...
Ter um filho asperger não é o fim do mundo, mas o princípio de uma nova vida...
Valorizando os afectos...

quinta-feira, 22 de julho de 2010

O desconhecido!...


Mesmo para quem lida com a deficiência na sua vida profissional.
O desconhecido assusta!...
Há cerca de 3 anos passamos uns dias no Algarve, e o Bruno queria dormir na casa de uma amiga (que ainda tem ligações à família), que com medo de alguma reacção dele , ou que este chamasse pela mãe durante a noite, ou qualquer outra situação que ela desconhecia, não o deixou lá dormir, sugerindo que poderia lá ficar com a irmã...
O Bruno que não entende bem o porquê, e com as suas repetições continuas, porque que ela não o deixava lá dormir!...
Deve tê-la deixado com algum sentimento de culpa.
Ele realmente ficou triste...
Então este ano para o compensar, ofereceu à família uma semanita de férias no apartamento dela ( claro com os pais)...
Não julgo e até entendo perfeitamente a atitude dela ( não sei senão faria o mesmo), embora eu saiba que ele não chamaria pela mãe, e nem tem outros problemas de saúde graças a Deus que pudessem causar alguma aflição...

6 comentários:

Visite www.arteautismo.com disse...

Mina
amiga querida ,
quantas saudades de ti e de Bruno!
Tenho estado ocupada e sem tempo para escrever , a gente senta para ver algo no pc e as horas correm.
Andei a ajudar Filipe , pois voltaram as convulvoes depois de 6 meses sem dar. Tenho dormido pouco e trabalhado muito
Sinceramente amiga tem horas que só consulto o e-mail por conta das clientes e de resto , não tenho paciencia para nada. Agora fiz um post p/ o blog de Filipe que andava abandonado, eu sinto não ter tempo de visitar os blogs que gosto. E aqui na blogfesera é assim , se voce não visita , nínguém te visita.
Vir aqui me faz falta pois , voce me alegra. Mas como voce se esqueceu de mim rs( NUNCA MAIS ESCREVEU) mas eu vejo voce vindo me visitar.... brincadeira.rs rs eu também relaxei nas minhas vindas aqui.
Mas tenha certeza do meu carinho por ti e meu doce e querido Bruno.
Por certo aí deve estar mais quentinho que aqui não?
Tens caminhado muito?
Filipe semana passada pode voltar a natação, mudei de academia, aquela negligente que ele caiu nunca mais.
quanto ao teu post , as pessoas são assim mesmo , elas tem receio de ficar com pessoas especiais , não sabendo elas que os ditos normais é que são perigosos as vezes. Bruno e Filipe são dois amores , sem maldades, e eu e voce sabemos que são as melhores companhias do mundo.
Um beijo grande pra ti e Bruno.
com saudades.
Ray

Fê-blue bird disse...

Nem sempre lidamos bem com o desconhecido, embora no caso da sua amiga ela esteja dentro do assunto, e magoamos às vezes sem querer.
Mas o importante é que passaram umas boas férias, em família e com saúde.
Para o mês que vem vou para Budens, se por acaso lá voltar tem uma casa às ordens!
Beijinhos a todos

Mina disse...

Olá Ray
Temos dado pela vossa falta mas sempre pensando que os motivos são trabalho, e em parte eram...
Ainda bem que Felipe já controlou- o as convulsões deve ser muito complicado...
Nós sempre te estamos visitando, não tinhas post´s novos...
Estivemos uns dias na praia a caminhar à beira mar, que não somos de "papo p'ro ar"...
Ah! e eu é que estou "triste contigo" :D, que nem vieste ao meu cinquentenário loool

A todos nós asusta o desconhecido, eu pelo menos não sou ninguém para julgar os outros, porque também me assusta situações que não conheça e que não sabia como lidar com elas ainda para mais implicando os filhos dos outros, o que não quer dizer que não ficasse com ele até porque hoje em dia é mais facíl e estavamos perto, qualquer coisa era só contactar e estaria lá e no caso do meu filho eu sei que não haveria qualquer tipo de problema...
mas recordo-me de uma amiga que tinha um filho com uma doença degenetariva e com muitas complicações associadas, que um dia na casa dela me pediu que ia á compras para eu ficar com o menino, e até tinhamos uma óptima relação, a criança comigo a mãe até dizia que havia uma grande empatia entre nós o que era verdade, mas o ter ficado a tomar conta dele deixou-me aflita, por poder surgir alguma situação que eu não pudesse controlar, principalmente a nível respiratório, isto porque não estava nem estou preparada para essas eventualidades...
Por aqui o tempo está ventoso, e nada bom p'ra o Bruno que anda muito zangado com estas alterações climáticas...
Logo vou no teu cantinho que agora já tenho uma pulga aqui a querer vir para o Pc, deu-me um intervalo, que estou a escrever demais ...
bjocas para ti e para Felipe

Mina disse...


Mesmo estando teoricamente dentro do assunto, não é o mesmo que a realidade e a vivência...
E ela apesar de ter sido professora na área da deficiência nunca terá tido um caso de autismo/ou Sindrome de Asperger, seria para ela desconhecido...
Obrigada pelo convite, desejo-lhe umas boas férias, a localidade pareceu-me vista ao longe muito agradável possívelmente maisor e mais apetrechada que Vila do Bispo...
Numa próxima irei ver ao pormenor xD
Bjocas

Atena disse...

Olá Mina, ao ler este post, sou um pouco mais radical e não encontro muitas desculpas para aquilo que me parece ignorancia. Penseí um bocado e até me tento colocar no lugar das pessoas, mas eu estive um pouco com o Bruno e ele aparenta tudo menos ser assustador, ou preocupante. É uma pessoa com aspecto normal, pacato, calmo, e custa-me a perceber o receio que ele possa provocar a alguém, seja lá do que for... Também eu já estive (à muitos anos atrás, talvez uns 18) com um autista severo adulto, filho de uma senhora amiga da minha irmã, e não me assuteí minimamentem (e não tem rigorosamente nada a ver com asperguer). E digo-te que o autismo me era completamente desconhecido, muito menos, autismo severo - daqueles sem linguagem, com auto-agressão (batia com a cabeça no chão até ficar negro) e com muitas outras complicações associadas... Lembro que me puxou pela mão e me levou para um sótão escuro, com pouco mais de 75 cms. de altura, e ali quis ficar sentado, comigo ao lado (Devia ser o seu espaço preferido). Juro que não me assuteí nada, até fiqueí contente porque me pareceu que ele havia gostado de mim. A mãe, preocupada, dizia, para eu sair dali e chamava-o, mas eu não tive medo e recordo isso até hoje. Mas, cada um é como cada qual... sabes que a minha paixão era tirar o curso de psiquiatria ou psicologia, sempre me fascinaram os assuntos do cerebro humano, e ainda hoje não perdi a esperança. Portanto, na altura aquilo, fascinou-me, o facto dele me ter levado para o seu casulo.
Mas como diz a Fê o que importa é que as férias sejam muito felizes e bem passadas. Eu sei bem que tu passas por cima disso tudo... para ti são pormenorezinhos. Abraço grande para voces os dois

Mina disse...

Atena
o facto de nos colcar-mos no papel do outro, dá-nos uma visão diferente.
Eu melhor que ninguém sei como o meu filho se comporta ou poderá comportar, embora possa surpreender, mas uma coisa eu tenho como dado adquirido ele é super bem mandado ás vezes demais que pode fazer disparate se o incumbirem disso.
E adora o seu espaço em todas as casas ele tenta arranjar a sua "toca", o que nem sempre é possível, mesmo agora nas férias teve de dividir o quarto com o pai, que só tinha 2 quartos, e estas alterações deixam-no inicialmente instável, mas nada de transcendente nós também estranhamos a mudança, reagiamos é de forma mais introvertida e contida...
Curiosa essa tua apetecência para a saúde mental eu também me interesso e acho fascinante, embora as conclusões nunca sejam quanto a mim muito concisas o cerebro humano tem muitas ligações que ainda não estão bem intervencionadas. Se-lo-à também o caso do autismo?!...
È para mim sempre uma preocupação acrescida olhar pelos filhos dos outros, nem que seja uma simples boleia, tenho sempre receio das consequências, este é o meu calcanhar de Aquiles, pensar sempre no que poderá acontecer, o que racionalmente é uma perda de tempo, mas que não deixa de me preocupar...
Ainda vais a tempo de fazer o curso, a psicolga que segue agora o Bruno terminou o curso de psicologia clínica por volta dos 42creio e é super empenhada, vá força aí, já levas um pouco da prática, partes em vantagem :D
Bjcas p´ra vocês