Mãe e filho de mãos dadas trilhando os caminhos do autismo/asperger.
Numa partilha intimista e de coração aberto em sonhos e desalentos, numa vida vivida...
Ter um filho asperger não é o fim do mundo, mas o princípio de uma nova vida...
Valorizando os afectos...

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

"Desmistificar"

"
(imagem da net)

Se o marido estivesse presente, diria que eu conto a vida a toda a gente.
Mas que raio de mau feitio( o meu);)
Fui com Bruno comprar um "fatito" aproveitar a época dos saldos, não que ele seja rapaz de usar fatos, mas para a representação gosta de ir a aprumado é logo meio "papel", e mãe também gosta deste estilo "profissional", para se fazer, é bem feito( e os adereços são importantes).
Entro numa loja onde vejo o mais barato e o Bruno vai experimentar as calças ao provador, enquanto isso , fico conversar com a senhora da loja, e a explicar-lhe, para que fim é o fato, e programa que elaborei para divulgação do autismo, onde consta esta representação.
Pergunta me, se é cá!? ( na cidade onde vivemos)
Respondo:Não! ( muito embora tenha apresentado a proposta, não obtive resposta)
Achou curioso e interessante este tipo de iniciativas ( pena que os responsáveis não pensem assim)
Falei lhe, que gostava de retirar algum peso ao autismo, o que me leva a esta carolice, é mostrar que estes meninos/ homens, podem fazer alguma coisa que são capazes, que não são só as "figuras", que se balançeiam...
Curiosamente, ela chamou-me atenção, que quando o viu entrar não o achou agressivo.
Deduzo que fosse essa a imagem que a senhora teria do autismo...
Não são realmente todos iguais tratasse de um espectro, e mesmo havendo alguns com picos de agressividade não será essa a sua principal característica.
Gostei de falar com a senhora, e percebi que ela ficou com outro olhar do autismo.

10 comentários:

AvoGI disse...

MINA ainda há muita falta de informação sobe o autismo, infelizmente
kis .=)

Atena disse...

Que bom Mina... que bom que vás conseguindo desdramatizar a porcaria do rótulo que a palavra ainda tem! Também vou fazendo isso, quase que diariamente. No fundo estamos sempre em "luta" e esta é uma parte dela! Beijão grande:)

Mina disse...

Avogi
As pessoas não são obrigadas a identificar, à muitas patologias de que eu não sei rigorosamente nada, mas uma síndrome que segundo as estatíticas já atinge um número muito elevado de cidadãos, não sendo considerada rara, à sempre esta ligação à agressividade por puro desconhecimento.
Devia fazer parte da educação escolar, embora seja um espectro á alguns padrões...
Nós tentamos dar o nosso contributo, para já não escondendo...
bjinhos

Mina disse...

Atena
Acabamos cansadas e pôr nos expôr, não que tenha algum problema com isso, mas fico sempre muito inquieta quando associam como factor preponderante a "agressividade"...

A senhora nem me perguntou nada, podia não ter dito nada, mas tenho esta língua de trapo ahahah e reparei que ela olhou, e ficaria intrigada, assim ficou minimamente esclarecida, até porque não tenho vergonha, tenho orgulho no meu homem especial...

Mesmo as crianças ainda tem esta imagem de meninos "esquisitos" e "agressivos", tem de ser cada pai/mãe em cada local a desmistificar, cabe nos esta árdua tarefa...
Bjinhos para ti e para os teus homens

Visite www.arteautismo.com disse...

Oi Mina,
querida , quero ver o Bruno de fato como dizem aí , aqui é terno rs
Agora que ele está mais magro vai ficar um galã, um lindo. Já é lindo com o fato então....
Mina que coisa né?
Agressividade! E isto que pensam dos nossos meninos.
Sabe o Filipe para se comunicar sai tacando beijo em todo mundo , entra numa loja comigo e vai dando beijinhos nas vendedoras , aqueles de cumprimentos. Voce sabe beija de um lado e beija do outro, primeiro ele aperta a mão. Tava beijando os homens da loja também. Aí eu falei homem não Filipe, não fica bem. E quando vou na loja que tem homem já chamo ele no cantinho_ Beija não viu ?
Mas onde eu quero chegar o medo das pessoas da agressividade deles.
Uma conhecida veio ao meu encontro com uma menininha no colo tipo 9 meses. O Filipe claro tacou dois beijos nela e segurou o rostinho da nenê com cuidado, isso ele tem, e deu dois beijinhos também.
A mãe deve ter ficao com medo do Lipe machucar o nenê, mas ele não é agressivo não.
As vezes fico constrangida com estas beijocagens dele, mas depois fico firme e digo pras meninas , é uma forma dele se comunicar, se todos fossem assi o mundo era melhor né?
Há de conscientizar o mundo do jeito de ser dos nossos meninos. Afinal a gente botou a cara pra fora pra isso não foi Mina?
Querida trouxe Filipe pra voce ver.Tá aqui no blog. aprendi a colocar os videos no blog e no yotube.
Sabe Mina que voce acha da gente conversar no Yotube falando do que a gente diz aqui?
Topas?
Beijos.
Ray

acácia rubra disse...

Mina

Se não formos nós a avançar, que nos resta? Estigmas que travam o desenvolvimento. Avança Mina!
Vai até onde puderes e se vires que tenho préstimo para alguma coisa, chama-me.

Beijo

Fê-blue bird disse...

Prima.
Grão a grão...
Eu por exemplo, antes associava o autismo a uma postura apática, são estereótipos que adquirimos sem saber bem porquê.
Mas ao sabermos, alargamos os nossos horizontes e adquirimos outra postura perante estes assuntos.
E o Bruno ficou bem no fato?

beijinhos

Mina disse...

Olá amiga Ray

Pois o menino Bruno com a mania das magrezas tinha um terno emprestado pelo primo que servia para o personagem, (apesar de já na altura lhe ficar largo)agora fica a enorme.
E não gosto que faça figuras ridiculas, este sempre fica á medida, lá foi uns euros, mas está chique, se tivesses facebook , já tinhas visto rsss
Um dia destes coloco aqui também, é só para ir em sequência..
Bruno não é muito de "chamego", como dizem aí, não liga muito para as pessoas é mesmo o tipico distante, a quem "forço" os mimos ahahahah
Tenho que ir ver a tua página, eu não tenho conta no you tube, e nem sei como se conversa lá...
Vou adicionar a página de Felipe ahahah foi o primeiro gosto rsss e vou divulgar na minha página...
Já está...
bjinhos para ti e Felipe

Mina disse...

Acácia

Muito obrigada, todo mundo tem préstimo amiga, quanto mais não seja levando a palavra.
Não são todos iguais, nem tem traços fisícos que os evidenciem o que torna a tarefa de nós pais mais complicada, porque á muitos casos diferentes do que eu relato aqui pela minha vivência e por outros casos que acompanho mais de perto, e nem a agressividade nem a genialidade são as condições mais evidentes.
Podem ser tão agressivos quanto qualquer outro menino, depende do ambiente e em alguns casos do seu mau estar...
Bjinhos amiga

Mina disse...

Prima Fê

E não estavas longe na associação esta perturbação está relacionada com o pouco envolvimento social a dificuldade de relacionamento com os pares, uma comunicação peculiar e repetitiva, por vezes até o tom de voz monocordica.
Existe muito esse alheamento, mas que nós pais e gostariamos, que a sociedade contribuísse para os ajudar a "retirar do casulo", estimulando não desistindo só porque ele/a não respondeu à primeira.
Ficou muito giro no fato este mesmo à medida e enfolharei mais a camisa, ficou um verdadeiro artista...

bjinhos e bom domingo