Mãe e filho de mãos dadas trilhando os caminhos do autismo/asperger.
Numa partilha intimista e de coração aberto em sonhos e desalentos, numa vida vivida...
Ter um filho asperger não é o fim do mundo, mas o princípio de uma nova vida...
Valorizando os afectos...

sábado, 17 de dezembro de 2011

"Pedaços de muito" ou "Quase nada"

Não gostamos de dar nas vistas, nem que olhem para nós de soslaio.
Mas senão tentar mos nunca conseguiremos.
Nas Finanças tinhamos 12 pessoas à nossa frente, sentados enquanto aguardavamos a nossa vez, (vendo eu) que depois de nós não estava muita gente.
Pensei, aqui está uma oportunidade para ele fazer o pagamento e poder comunicar.
Fizemos um pequeno ensaio no tempo de espera, enquanto o senhor sentado ao nosso lado sorria. (devia pensar esta, está maluca)
Dou os documentos ao Bruno: cartão de contribuinte, dinheiro e a senha.
-Quando chamarem pelo teu número dirigiste ao guichet respectivo ( esta parte é facíl)
-Dizes: Bom dia (simples)
-Dizes: Que queres comprar o selo para o carro.
-Apresentas o cartão, que o senhor, vê qual é o carro.
-No fim dizes : Obrigado
"Entrada em cena"
Assim que aparece o número no visor levantasse acelerado, não vá passar a vez.(logo aí foi notória a diferença)
Sai o bom dia (forçado)
-É para comprar o selo do carro ( 2x não o fosse o senhor, não ter ouvido à primeira)
O senhor diz-lhe a matricula do carro, ele confirma (melhor que a mãe)
Dá as notas, recebe o papel e o troco, e esqueceu se do obrigado.
-Então e o obrigado filho!?
-Obrigado ( diz então)
Toda a conversa foi com olhar desviante do interlocutor.
Dá-me o comprovativo e troco.
-Pergunto-lhe se conferiu- Não,desta vez não...
Confere ao pé de mim, falta um euro ( diz ele)
Já o ia alertar para a sua falta de atenção, o troco é para conferir no acto da entrega.
Abre a mão esquerda, lá estava o euro.
Estive tentada a pô-lo a fazer o pagamento com o multibanco, ele até sabe o código.
Podia era querer confirma-lo em voz alta.
Claro que estes dois ou três minutos deram nas vistas.
Nem sei o que senhor poderá ter pensado!!!
Mas não vou deixar de tentar...

4 comentários:

AVOGI disse...

Adoro estes trechos da actividade de vida diária do rapagão
força MÃE MINA, progressos visíveis, e nada de retrocessos
bom sinal
kis .=)

Mina disse...

Avogi

São pequenas coisas que mesmo básicas tem de ser treinadas, não quer dizer que não tenha de repetir a retórica numa próxima vez.
E é mais para que os outros percebam esta forma particular de comunicar, que fazemos isto.

Ao pão ou outras compras, já vai sem dificuldade, claro que não cumpre com as regras sociais, é isso que as pessoas tem que entender.

Que a concentração está no essencial naquilo que vai fazer,e tem de correr da forma delineada.

As saudações ou agradecimentos, paciência não temos:-)

Lool não coloquei o video uuuu

Bjinhos

Fê-blue bird disse...

Prima, o que as pessoas pensam não interessa nada, o importante é o Bruno ir se desenrascando.
( claro que compreendo a tua ansiedade)

beijinhos aos dois

Mina disse...

Prima Fê

Ele desenrascava se se as pessoas conseguisem perceber o tipo de lianguagem e as dificuldades dele e lhe fizessem perguntas directas.

Não é fácil a comunicação com eles e nem à um padrão.

Provavelmente eu própria teria dificuldade em lidar com outro que não ele...

bjinhos