Mãe e filho de mãos dadas trilhando os caminhos do autismo/asperger.
Numa partilha intimista e de coração aberto em sonhos e desalentos, numa vida vivida...
Ter um filho asperger não é o fim do mundo, mas o princípio de uma nova vida...
Valorizando os afectos...

segunda-feira, 3 de março de 2014

"Não, é ingratidão! É Sinceridade!"

Não, consigo ser politicamente correcta, quando se vive de emoções, de afectos, e de verdade.

Desiludida!
Quando se acha, que não vale a pena o esforço, físico e financeiro.
Como, já escrevi, este vai ser o último ano do projecto voluntariado nos moldes, de completa gratuitidade.
E desculpem me, as pessoas do Norte, principalmente da região do Porto, não houve aceitação do mesmo.
Depois de uma longa viagem, à hora combinada 21 h, no local, apenas estávamos nós, e as pessoas, que também se esforçaram na divulgação ( associação de terapêuticas artísticas e expressivas), a quem desejo os maiores sucessos, e reitero a importância dessas terapias. Apareceram um pouco mais tarde 3 pessoas , uma mãe, e um casal, amigos dos autistas com quem gostei muito de conversar .
Mas, não consigo parar de pensar, que as pessoas preferem pagar, e levar uns diplomas, para o currículo, do que conviver com a realidade.
O evento ocorreu na mesma , para menos de uma dezena de pessoas, com mesmo empenho, o que não deixou de ser frustrante, os "artistas" trabalham para o público.
Levando, pela parte positiva, conhecemos pessoas interessantes,simpáticas e que se preocupam com estas questões do autismo, e que tentam ajudar os nossos "meninos", o meu, já é crescido, eu podia estar-me também a borrifar, para isto.
E, é mesmo por esse caminho, que me apetecia enveredar, não fosse o meu filho, a pessoa mais importante...

4 comentários:

AvoGI disse...

O que nao fazemso nós pelos filhos!
Kis :=)

Mina disse...

ahahah
Avogi
Qualquer dia, estamos, a "pregar", para as paredes ;)

Quando se faz um esforço financeiro, e físico, ainda assim as pessoas, não ficam receptivas, é sinal , que algo vai mal e continuam a não querer saber...

Não podemos obrigar, ninguém a querer saber.

Faz-se tudo pelos filhos, até ao limite, e se poderia melhorar a auto-estima , havendo aceitação por parte da população, o facto de não haver audiência , desmotiva qualquer um :(

Beijinhos

Fê blue bird disse...

Amiga compreendo e lamento a tua frustração.
O nosso povo é o grande culpado do caminho que estamos a seguir. Somos uns egoístas, desde que vivamos bem pouco nos importa o problema dos outros.
Mas, sabes prima Mina, aprendi com a vida a valorizar os que nos estimam e respeitam, a valorizar os afectos e a família, quanto ao resto, é frustrante mas nada mais.

beijinho e abraço solidário e comovido.

Mina disse...

Prima Fê

Também , são os que estão que eu valorizo esses é que são os importantes.
No entanto, não posso calar a mágoa da indiferença...

Beijinhos