Mãe e filho de mãos dadas trilhando os caminhos do autismo/asperger.
Numa partilha intimista e de coração aberto em sonhos e desalentos, numa vida vivida...
Ter um filho asperger não é o fim do mundo, mas o princípio de uma nova vida...
Valorizando os afectos...

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

"Quem me leva os meus fantasmas"


Como era previsível, as marcas físicas da agressão aparentemente desapareceram...
Mas as psicológicas, passado um mês ainda estão bem vincadas, e o medo o pânico a raiva estão cada dia mais presentes...
Não se pode sentir sozinho, mesmo em casa.
Que logo o fantasma do agressor lhe chega á mente e o revolta...
A cada dia está mais instável, sem acompanhamento especializado, que claro não lhe foi facultado nem sugerido!!! Porque o que não se vê está tratado.
Os pais que tratem e resolvam estes traumas!!!
Não há dia nenhum em que o nome do agressor não venha à "baila", dezenas de vezes...
Já não sei o que hei-de fazer, além da insistência de que tem de esquecer , que está em casa e que ninguém lhe vai fazer mal...
Que escreva de modo a libertar-se e os pensamentos ficarem no papel. E se já escreveu muito sobre o assunto!!!
Hoje só porque pensou que eu tivesse saído, a raiva apoderou se dele a pensar que o agressor podia aparecer do nada!!!
E acabou por ser vitima dele próprio, partindo um dente, já de si frágil...

4 comentários:

Fê-blue bird disse...

Minha amiga querida:
Tem que procurar ajuda profissional, se já não a tem.
Quanto mais tarde mais recalcado fica este assunto.
Pense nisso, fala quem sabe.

Beijinhos e muita força e coragem.

Grilinha disse...

Essas feridas são as que mais danos acabam por causar...muito embora a visível tenha sido dura, estas perduram no tempo...

Abraço em vocês

Mina disse...

Amiga Fê
Há feridas que só tempo apazigua, nele principalmente vive do medo, não haveria ajuda aqui que lhe valesse muito embora se lha tivessem disponibilizado seria bem recebida, esses apoios custam dinheiro e ele não abunda, para tudo...
Não deveria quem provocou a situação ter responsabilidades nessa matéria!?
Só mesmo o apoio e a protecção em casa, e se não surja mais nenhum imprevisto, vamos controlando...
Já vamos ter uma grande despesa com a reconstrução do dente, consequência indirecta do acidente, e segundo o dentista, a parte interna do dente está lesionada que poderá ter sido da pancada, e não do ataque de raiva, que isso só provocaria a quebra do dente, uma vez que já era um dente restaurado...
Amiga obrigada pela força, nós vamos lá...
bjinhos

Mina disse...

Obrigada Grilinha
Os males do corpo curam-se de alguma forma...
Já os males da alma levam mais tempo a sarar e, é preciso vontade, não há nada que os faça passar
se o paciente não estiver disposto a colaborar...
bjinhos para vocês também