Mãe e filho de mãos dadas trilhando os caminhos do autismo/asperger.
Numa partilha intimista e de coração aberto em sonhos e desalentos, numa vida vivida...
Ter um filho asperger não é o fim do mundo, mas o princípio de uma nova vida...
Valorizando os afectos...

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Comunicar!???

Quer, comunicar, e não saber como, pode ser complicado!
Enquanto, mãe, muitas vezes isto dói!
Porquê, que ninguém quer conversar com ele!
A sua maior obsessão agora é irmã, porque fala horas infinitas, no computador.
O que para além de não o deixar dormir, o deixa intrigado, porque fala ela tanto.
-Ainda bem que ela fala , quando as pessoas não falam é que mau ( digo-lhe eu).
-Eu também queria falar (diz-me ele)
-Lamentavelmente, não tens amigos com quem falar, fica: (entristecido com esta realidade).
Porque se repete constantemente , que até a mim deixa cansada.
-Mas eu gosto de pesquisar, sobre desporto (refere-me ele)
-Até podia escrever um livro.
-Claro, então escreve , filho, centenas de papéis de coisas soltas, que por aqui andam, não sei que nexo teria o livro :)
Talvez livro de consulta de sites rsss

Ontem encontrou um ex-colega, que não via à alguns 10 anos, que o reconheceu,a conversa do Bruno, coisas do arco da velha, que outro não recordava, e indo ainda buscar que o outro tinha sido expulso, pela professora rsss

Hoje na padaria, encontra um casal de polícias desconhecidos, repara nas pistolas.
E em vez de reter os pensamentos, di-los em voz alta, pistolas, pistolas, pistolas ( o que deixa logo pai acabrunhado), com estas saídas , indirectas e indiscretas.
Ainda que ninguém, lhe ligue, reparam, nestes comportamentos bizarros...
E ele também repara nos pormenores, e no crachá, que senhor polícia traz com a identificação, e para não fugir ao estranho, comenta também o nome em voz alta. (acho que polícia sorriu).
E pai saiu envergonhado, e sempre aflito com estas figuras ;).

7 comentários:

Mina disse...

Acrescento:
Qual, é o problema, não é nada fácil, sentir esta necessidade, e não conseguir, esta base de comunicação, quem está disposto, a ouvir, repetições continuas !?
Como é que se ensina!? mas eu também quero falar ( bem sei filho, mas dificilmente, alguém que não passe pelo mesmo entenderá), mesmo progenitor nunca vai entender, estas "bizarrias".
Porque que policias trazem as armas, senão à pena de morte em Portugal!? (questão colocada por ele). Por uma questão de impôr respeito e segurança, filho, se dispararem para o pé não morre ninguém... Parecem conversas, parvas, mas temos de explicar. No corpo "gigante", ainda vive a criança inocente.

Fê blue bird disse...

Prima:

O mundo não é para mentes puras como o Bruno, está demasiado "contaminado".
Essa vossa frustração será sempre uma dor constante.
Embora noutra proporção compreendo-vos bem.
beijinho

São disse...

Não são bizarrias, fazem parte..mas é complicado, sem dúvida.

Figuras que nos embaraçam , tod@s @s filh@s fazem e estou a lembrar-me de uma vez na estrada em que o meu filho acabou insultando um outro automobilista , a quem eu acabei por pedir desculpa...

Abraço para vós

Mina disse...

Prima

Parece-me que à medida, que os anos, passam , ou fico menos condescendente.
Eu própria, fico intrigada, com as questões, tão ingénuas que ele coloca, e algumas muito parvas.

Hoje vi no programa da manhã, falar sobre a epilepsia, que também pode ser uma das comorbilidades do autismo, e lá está quem não está habituado, também fica assustado, e mesmo com informação, as pessoas receiam , lembrei-me de si...

Beijinhos

Mina disse...

São

Mas , normalmente, só reparamos, nos que são diferentes...
Insultar, ou coisas do género, é "cultural" ;)

Detesto, essas picardias, dos condutores, enfim... coisas de quem se acha, machos, embora, também já se esteja a alastrar ao feminino :)

Beijinhos

Reflexões de Mamãe disse...

Aqui quem sofre um pouco com a falta de comunicação é a irmã, que busca o irmão autista e ele ignora... a gente sofre um pouco, até tenta ajudar... mas não consegue...
Mas, de vez em quando, ele se achega, junta e diz o quanto ama a família...

Mina disse...

Reflexões da mamãe!

Não sei, qual dos seus filhos é o mais velho, se a menina ou o menino, e quais as faixas etárias.

Tudo muda, consoante , essas premissas, e não só, claro que também com a personalidade de cada um...

Mas se a irmã, busca essa comunicação é óptimo, e poderá ajudar no desenvolvimento e na comunicação do autista.

No caso por exemplo dos meus, que ela é bastante mais nova -.(9 anos), embora agora já sejam ambos adultos, e se em pequena ela o estimulou a comunicar indirectamente. Agora, não tolera a forma de comunicar dele, por mais que ele queira, não têm paciência.

Beijinhos e boa sorte e grandes conquistas