Mãe e filho de mãos dadas trilhando os caminhos do autismo/asperger.
Numa partilha intimista e de coração aberto em sonhos e desalentos, numa vida vivida...
Ter um filho asperger não é o fim do mundo, mas o princípio de uma nova vida...
Valorizando os afectos...

quinta-feira, 30 de abril de 2009

Sugestões para o dia da mãe




Estas fotos representam trabalhos executados na sua maioria pelos formandos do CAO,
que entre muitas actividades ocupam também o tempo nestas tarefas de colagens, ceramica, cestaria, jardinagem, fazendo verdadeiros trabalhos artísticos.

Estes trabalhos, entre muitos outros que aqui não consegui colocar, estão a venda no Centro de Educação Especial aqui e tambem numa lojinha do Centro Comercial na rua das Montras, que fica no centro da cidade.

São pequenas lembranças com valores muito baixos e que pode ajudar e mimar a sua mãe com uma prenda diferente.

quarta-feira, 29 de abril de 2009

Síndrome de Asperger/Défice de Empatia Parte 1/4

sA Síndrome de Asperger/Défice de Empatia faz parte das perturbações globais do desenvolvimento e traduz-se por alterações comunicantes em duas áreas: Comportamento Social e Interesses.
Estudos epidemiológicos, recentemente efectuados na Escandinávia, revelaram que a prevalência na população é de cerca 0,3-0,5%, Por outras palavras, aproximadamente um em cada 300 a 500 indivíduos apresenta SA.
Em Portugal, haverá 20.000 a 30.000 pessoas afectadas por esta perturbação, sendo a prevalência nos indivíduos do sexo masculino cerca de 4 vezes maior que no sexo feminino.
Foram propostos, por autores prestigiados, como Szatmari e Gillberg, e por entidades de reconhecido mérito, como a organização mundial de saúde e a associação americana de psiquiatria, conjuntos de critérios de diagnóstico.

Critérios Propostos Pela Associação Americana de Psiquiatria- DSM IV

1-Alteração qualitativa da interacção social manifestada por, pelo menos, 2 dos itens seguintes:

1.1-Alteração marcada de diversos comportamentos não-verbais, como, por exemplo, o contacto visual, a expressão facial, a postura corporal e os gestos que regulam a interacção social.
1.2-Incapacidade no desenvolvimento de relações sociais com colegas do mesmo nível de desenvolvimento.
1.3-Menor procura da partilha do lazer, interesses ou aquisições com outras pessoas( não mostrar não apontar objectos de interesse a outras pessoas).
1-4-Reciprocidade social e emocional pobres.

2- Padrões de comportamento, interesses e actividades repetitivos, restritos e estereotipados, manifestados por, pelo menos, 1 dos seguintes itens:

2.1-Preocupação absorvente com um ou mais padrões de interesses e actividades restritos e estereotipados, que é anormal na intensidade e como foco e atenção.
2.2-Aderência inflexível a rotinas ou rituais específicos não funcionais.
2.3- Maneirismos motores estereotipados e repetitivos(ex: estalar ou rodar os dedos, movimentos corporais complexos, etc....)
2.4-Persistente preocupação por partes de objectos.

3- Esta perturbação causa alterações importantes no relacionamento social, ocupacional e outras áreas funcionais.

4- Não existe um atraso significativo na linguagem.

5-Não existe atraso significativo no desenvolvimento cognitivo, ou na aquisição das funções adaptativas, da autonomia ou da curiosidade relativa ao ambiente.

6-Estas manifestações não se enquadram melhor nos critérios de diagnóstico de outra perturbação, pervasiva do desenvolvimento ou da esquizofrenia.

terça-feira, 28 de abril de 2009

Síndrome de Asperger/Défice de Empatia Parte 2/4

sindroPara consideramos os critérios anteriormente enunciados devemos ter sempre em mente, como padrão de comparação, os comportamentos das crianças ou adolescentes da mesma idade com desenvolvimento normal. Convém sublinhar que cada criança ou adolescente se manifestará alguns( muitas vezes poucos e subtis) dos comportamentos adiante expostos.

Vamos então dar alguns exemplos.

O contacto ocular é peculiar. Pode ser evitante (ou fugaz, ou fruste ou escasso ou pouco intenso, traduzido na opinião dos familiares, por"não olha para os outros ou desvia o olhar") ou apresentar uma fixação intensa do olhar no interlocutor...

Gestos bizarros, peculiares ou estranhos. Frequentemente apresentam tiques ou mímicas faciais bizarras, os gestos poderão ser desajeitados ou estranhos, com frequência a expressão facial é pobre, por vezes aproximam-se demasiado do interlocutor, menos frequentemente andam aos encontrões ás pessoas e aos móveis...

Evidente inabilidade no relacionamento com os colegas. Por vezes, há mesmo uma falta de desejo para interagir com os pares e fazer amizades, manifestam boa intencionalidade comunicativa, mas não conseguem manter ou gerir adequadamente as relações, tem dificuldade em entender as "deixas sociais" e dos sentimentos dos outros, podem não valorizar os sinais de desagrado, de impaciência, de irritação, de tristeza, de alegria, de aprovação, dos interlocutores.

Não raramente, isolam-se ou brincam sozinhos, vão para a biblioteca, para a sala de informática...muitas vezes, embora sejam interessados, não participam activamente nos jogos, desportos ou brincadeiras (cartas, monopólio, futebol) preferem assumir um papel passivo, de observador.

Com frequência, não gostam de jogos de competição, geralmente, não têm um amigo especial, nem grandes amigos, ou tem um circulo excessivamente restrito de amizades. São, na maior parte das vezes, indiferentes ás influências dos colegas ( moda, jogos,...) e não trazem objectos para troca (cromos, berlindes,..).

Frequentemente gostam de estar ou a brincar com crianças mais novas, ou com as mais velhas e menos com os da mesma idade.

Em consequência da sua inabilidade social, em muitos casos, torna-se penoso frequentar a escola ou a associação desportiva.

O interesse em virem para a rua brincar com as outras crianças, também está diminuído.

Não raramente, os colegas não gostam de brincar com eles, afastam-se, evitam-nos, porque muitas vezes tendem impor nos jogos regras peculiares, não convencionais, gostam que brinquem de uma determinada maneira, são frequentemente discriminadas pelos pares.

Parecem esperar que os outros saibam os seus sentimentos, com frequência são inconvenientes, têm dificuldades na interiorização das regras sociais, mas uma vez entendidas cumprem-nas com rigidez exagerada.

segunda-feira, 27 de abril de 2009

Schiii...Que susto!...‏


Fomos convidados por uma amiga a assistir a um evento desportivo em que a filha dela participava.
Como amigo puxa amigo, fui apresentada a uma outra amiga dela.
Estávamos as três numa amena "cavaqueira" a falar dos filhos, que é o que as mães fazem melhor. Eu estava ao meio, estavam também os filhos de todas inclusive o Bruno, que estava do meu lado esquerdo intercalado pela outra amiga e pela irmã.
De repente passa aflito à minha frente...
Pode parecer estranho, mas foi simplesmente, porque foi abordado por um teenager espevitado, que lhe disse:
- Então meu, vamos beber um copo!?
Ora ficou aflito, ele até nem bebe copos, nem bebidas alcoólicas. xD
Ainda perguntei ao jovem se o Bruno estava nalgum daqueles balanceios, que o tivesse chamado à atenção. Disse-me que não.
Só podia estar absorto nos seus pensamentos e "acordou" com o apelo aos copos. rssss
A amiga da minha amiga, que conhecia o jovem explicou-lhe as diferenças do Bruno.
O jovem pediu-me desculpa e ainda comentou com o Bruno: “era só um Red bull” (lool)
- Ora não tens de que pedir desculpa, não podias adivinhar, respondi.
- Talvez para a próxima já consigas perceber, disse ao jovem para finalizar.

Esse jovem participou num desporto onde participaram mais umas dezenas, que na minha ignorância desconhecia jogos de carros em computador, com júri e tudo e fazem competições a nível nacional, cada um leva a sua máquina, ou seja, o PC.

domingo, 26 de abril de 2009

Síndrome de Asperger/Défice de Empatia Parte 3/4

São descritos comportamentos excêntricos, extravagantes bizarros ou peculiares, na sala de aula, no recreio, na igreja, nas lojas, nos restaurantes,na rua...

Têm sido referido algumas vezes, um comportamento curioso e peculiar: a interrupção inapropriada, é muito frequente, das actividades dos adultos, designadamente dos professores no ambiente da sala de aula ( podem interromper o professor, durante a apresentação da matéria umas trinta vezes em cinco minutos).

Por vezes são descritos como excessivamente calados, outras vezes como excessivamente faladores.

Um número significativo não gosta de contacto físico. Com frequência apresentam um relacionamento mais frio, distante, com as pessoas que lhe estão próximas. De um modo geral gostam de festas de anos, mas, muitas vezes arranjam conflitos com os pares e acabam por ficar a brincar sozinhos, isolados.

Em alguns casos de uma forma espontânea, não gostam, ou não querem que os adultos brinquem com eles. apresentam um comportamento social e emocional inapropriado, apresentando dificuldades na expressão das emoções, não mostram de uma forma nítida, a alegria, a tristeza, a irritação...

Muito frequentemente apresentam grande fascínio por movimentos, sobretudo repetitivos: máquina de lavar roupa, ventoinhas, pêndulos, hélices dos aviões, gira-discos, ondular dos lençóis dos sacos de plástico no estendal, dos insectos voadores...

Também, com frequência, mostram um enorme fascínio por luzes, por objectos brilhantes: luzes intermitentes, rotativas das ambulâncias, faróis, espelhos, superfícies brilhantes...

Em muitos casos, está descrito um fascínio por números e por ordenações numéricas: horários, mapas, tabuadas, formulas químicas, contagens de palavras ou outras, datas de aniversários...

Muitas têm espírito coleccionador. algumas vezes mostram um interesse intenso por desenhos e por símbolos gráficos repetidos: bolas e outros objectos, nome próprio, nomes de pessoas....

Não raramente, manifestam um interesse intenso por enciclopédias, jogos electrónicos, máquinas de calcular, relógios, máquinas...

Em poucos casos, têm sido referido um "zapping" televisivo permanente, repetido e excessivamente intenso, podendo gastar as pilhas do comando num só dia.

Um comportamento muito característico consiste no alinhamento de objectos, amiúde milimétrico, por vezes segundo determinada ordem e sem qualquer justificação pratica: carros, molas da roupa, cadeiras, cromos...

Uma das mais interessantes e frequentes características comportamentais corresponde ao excepcional fascínio por determinados temas: marcas de carros, carros de determinada marca, carros de bombeiros, abelhas, lagartixas, vacas, matriculas, sinais de transito, carreiras e trajectos de autocarros, comboios, prazos de validade de produtos industriais, mangueiras de rega, sopas de letras, puzzles, arquipélagos, pontes, pedras, conchas, temas históricos, , filmes de terror, vulcões, tesouras,vídeos....

Interesse intenso por eventos, como evocações frequentes e recorrentes, procurando saber e memorizando, todos os pormenores sobre o tema: Expo 98, Mundial de futebol de 2004, actos terroristas, catástrofes naturais, grandes acidentes...

sábado, 25 de abril de 2009

Síndrome de Asperger/Défice de Empatia Parte 4/4

Antes dos cinco anos, sobretudo, é referido, em muitos casos, um fascínio incontrolável, por folhear livros e revistas, sem aparente preocupação com os conteúdos dos mesmos, interesse intenso por uma história particular( tendo a história de ser contada sempre da mesma maneira e com as mesmas palavras), fascínio por um determinado vídeo (são capazes de passar repetidamente no mesmo dia ou, em alguns casos, de ver vezes sem fim, a mesma cena), grande fascínio por anúncios de televisão, actividades repetitivas, abrir e fechar a porta repetidamente, de forma rítmica, em raros casos foram descritos recortes milimétricos com tesoura, birras injustificadas, desproporcionadas e repetidas.

As rotinas e rituais rígidos são características comportamentais típicas: entrarem sempre pelo mesmo sítio, colocarem o casaco no mesmo cabide, mudarem o pijama no mesmo dia da semana, tomarem banho em determinado dia ou hora, lavarem os dentes em determinada hora e posição, tomarem sempre o mesmo caminho para a escola, arrumarem os livros no mesmo sítio, arrumarem a cadeira no mesmo sítio, terem de fechar sempre a porta, comerem os alimentos numa determinada ordem, comerem apenas alguns alimentos, na presença de determinados objectos, terem de transportar sempre determinado brinquedo, terem de dar uma determinada ordem aos objectos escolares, alinhamento de determinado brinquedo antes de irem para a cama... È frequente sentirem uma grande ansiedade quando acontecem mudanças nas suas rotinas.

As estereotipias motoras e vocais são manifestações muito comuns. Movimentos ou sons repetidos, rítmicos, por vezes confundidos com tiques, abanar as mãos "flapping", andar em bicos de pés, andar a roda, correr em circulo, correr sem sentido, balanceamentos, maneirismos com os dedos, gesticular com os dedos, sapateado, movimentos tipo masturbatórios, movimentos tipo lavar as mãos, abanar a cabeça, movimentos tipo nadar em "crawl", meter as mãos nas orelhas, puxar as orelhas, enrolar o cabelo próprio, ou de outro, rodar objectos (rodas dos carros, lápis, bolas..,) torcer objectos, imitar os sons dos animais ou das máquinas, imitar as vozes dos desenhos animados, anúncios, movimentos dos globos oculares...

Interesse intenso por partes de objectos surge com menor frequência: pontas de lápis tampas de esferográficas, peças de lego, pedaços de cordas, pedaços de giz, rolinhos de papel higiénico. Muitas vezes trazem nos bolsos inúmeros objectos.

O desenvolvimento linguístico não apresenta atraso significativo, num grande número de casos. É frequentemente referido um aparecimento tardio da linguagem, mas pelos cinco anos, não se verificam grandes desvios da normalidade. São frequentes conversas sem nexo, sem sentido, desajustadas aos temas evocados que correspondem a perturbações do tipo semântico- Pragmático. Com grande frequência manifestam dificuldades na compreensão verbal e uma utilização tardia, ou não utilização, dos pronomes pessoais.

A prosódia pode ser bizarra, peculiar, estranha, pedante ou excêntrica, com um timbre, um ritmo ou entoação invulgares, em regra monótona, com precisão excessiva de cada sílaba.

É referido, muitas vezes, um discurso repetitivo, ou repetição de palavras e frases. Não raramente, fazem uma interpretação literal das frases e das expressões idiomáticas, podem ficar confundidos com expressões como "vale de lençóis", ", "o rei vai nu","os olhos também comem", "ter o rei na barriga"...

Em mais de metade dos casos, há sérias dificuldades na aprendizagem da leitura e da escrita e, e menos frequentemente, no cálculo.

Num bom número de casos, estão descritas grande facilidade e interesse por números, algumas crianças conseguem verdadeiros prodígios com os números e são, por isso chamados de génios. A grande maioria apresenta uma boa memória visual.

De entre os problemas associados, há que sublinhar, pela frequência a hiperactividade.

Outro problema muito frequente são os medos excessivos e injustificados, sons altos, determinada música, visão de certos objectos...

Frequentemente é referida hipersensibilidade a ruídos: foguetes, berbequins, varinha mágica, aspirador, autoclismo, hipersensibilidade a cheiros, cheiram frequentemente os mais variados objectos, baixo nível de sensibilidade á dor, gosto por roupas "fofas" e confortáveis.

Nota- Foi tudo transcrito, pode eventualmente haver algum erro de ortografia ou até mesmo ter-me passado alguma frase, serve apenas como base informativa, devem sempre avaliar caso a caso e por um especialista.Uma vez que o documento era muito grande resolvi subdividi-lo, para mais facíl leitura, foram papéis que me foram chegando á mão quando soube que o meu filho tinha Síndrome de Asperger, este não estava identificado. Mas faço jus ao autor, e a quem o terá traduzido...

sexta-feira, 24 de abril de 2009

Pequenos "Nadas"...


A mais pequena alteração quotidiana pode alterar a postura e o comportamento do meu filho...
Ontem foi fazer uma visita ao Castelo de São Jorge e à Sé Catedral de Lisboa.
Sempre que ele se desloca para fora da nossa área de residência incumbo-lhe o dever de levar o telemóvel, para segurança de ambos. E ontem não foi excepção...
Já de regresso a casa, nas proximidades, ele resolve ligar-me para me informar do local onde se encontrava que já era perto de nossa casa...Estava a relativamente 6 kms. Só que a mãe atarefada com o jantar e com aquele maldito "secador", ou seja exaustor, não ouviu o telemóvel.
Já à porta de casa a carrinha buzina.
Vou abrir a porta, começa o interrogatório...
Onde é que estavas?
Porquê não atendeste o telemóvel?
Já estava a ficar stressado - disse ele.
E faz um respirar de alívio.
Uff!... estava tão preocupado!...(descompressão)

quarta-feira, 22 de abril de 2009

O Livro...


Um livro que a Laura B. tem lá em casa dela é sobre os Açores e custa 8 euros e 95 cêntimos.
Ela não me pode dar esse livro porque esse livro é do seu irmão (dela).
Mas será, que se eu pagar 10 euros á Laura ela já me pode dar o livro?!...
Se ela disser que não eu digo-lhe o livro custa só 8 euros e 95 cêntimos, e eu, paguei-te 10 euros. Dez euros chega para comprar o livro se o teu irmão precisar do livro pode comprá-lo com os 10 euros na editora.
E se ela me perguntar como é que eu sei que esse livro só custa 8 euros e 95 cêntimos.
Eu respondo-lhe que sei, porque vi na INTERNET.
Ela ainda tem em casa um livro sobre Cascais ,que diz que é uma recordação dela.
Eu gostava de tirar fotocópias desse livro de Cascais. E juntar várias fotocópias da região da Estremadura para fazer um livro e entregá-lo á G****.

segunda-feira, 20 de abril de 2009

Isto é que é uma "limpeza"!...


Esta manhã entre a consulta com a psicóloga, uma passagem no mercado da fruta e a ida para o CAO, passamos por várias agências sejam elas imobiliárias ou de viagens, até chegarmos á viatura.
O foco do Bruno agora são as agências de viagens, e não se contenta em tirar uma brochura, quer logo trazer todas as que estão expostas.
Já que lhe expliquei várias vezes que não pode tirar todas, porque não conseguimos viajar para todo o lado, e além disso depois não haveria para as outras pessoas.
Mas hoje de manhã a mãe foi "compincha" e até ajudou, pronto uma a cada um.
E lá vieram seis. Lá que abre o "apetite", lá isso abre...
Desculpem lá senhores agentes.
É só uma colecçãozita ...:)))

sexta-feira, 17 de abril de 2009

Juro que queria perceber!?...


Alguém me ajuda?...Ainda não consegui perceber porquê que o meu filho tem uma incapacidade de 60%.- É bom não é?.. Deve ser o mínimo para obter algum beneficio fiscal, que até a data nem sei quais são, por agora limito-me a entregar cópia deste "atestado médico de incapacidade"-Multiuso-, na repartição de finanças a quando da entrega dos documentos para IRS, porque este me foi exigido quando o meu filho fez 18 anos. Porque ele nasceu cresceu e tem tido sempre relatórios médicos, que nem sempre foram concordantes na patologia, mas todos apontam a incapacidade que ele tem em viver neste" nosso mundo"...Eu sou a primeira a achar que ele não é inválido, aos olhos de uma mãe os nossos filhos tem sempre capacidades extra. E o meu filho de facto até as tem.Mas para que servem?!...Para depois de uma formação feita com o dobro do sacrifício , ser despejado num CAO.- E não há fim a vista...-Será justo?! Que quem não tem um dedo tenha um grau de incapacidade igual ou superior ao meu filho. De facto ele graças a Deus tem os todos, e tem tudo, não tem" manchas" físicas, mas não é ,capaz por si só ,de utilizar as suas capacidades físicas e intelectuais, sem uma orientação de terceiros...Outra coisa que não entendo o porquê de ter de renovar este atestado de 5 em 5anos .Será que ele vai deixar de ter PEA?!..Ridículo não é?!...


Coloco aqui os links dos decretos leis mencionados
http://www.dre.pt/cgi/dr1s.exe?t=dr&cap=1-1200&doc=20073559&v02=&v01=2&v03=1900-01-01&v04=3000-12-21&v05=&v06=&v07=&v08=&v09=&v10=&v11='Decreto-Lei'&v12=352/2007&v13=&v14=&v15=&sort=0&submit=Pesquisar
http://www.dre.pt/cgi/dr1s.exe?t=dr&cap=1-1200&doc=19962930%20&v02=&v01=2&v03=1900-01-01&v04=3000-12-21&v05=&v06=&v07=&v08=&v09=&v10=&v11='Decreto-Lei'&v12=202/96&v13=&v14=&v15=&sort=0&submit=Pesquisar
http://www.dre.pt/cgi/dr1s.exe?t=dr&cap=1-1200&doc=19972202%20&v02=&v01=2&v03=1900-01-01&v04=3000-12-21&v05=&v06=&v07=&v08=&v09=&v10=&v11='Decreto-Lei'&v12=174/97&v13=&v14=&v15=&sort=0&submit=Pesquisar
no atestado

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Conferência 2009 Fundação Renasc er- Social Thinking‏


Social Thinking - Pensamento Social
"Social Thinking" é o termo utilizado por Michelle Garcia Winner para descrever uma forma de intervenção terapêutica cujo objectivo é ensinar o indivíduo a compreender o funcionamento do cérebro social e a sua importância em todos os contextos.
Esta técnica dedica-se àqueles que enfretam desafios na área da aprendizagem social, mas que apresentam um desenvolvimento razoável das competências de comunicação e uma inteligência verbal média ou acima da média, muitas vezes referidas como "altamente funcionantes".
Os desafios encontrados na Aprendizagem Social não se limitam a condicionar as competências sociais do indivíduo. Têm também um grande impacto na sua capacidade para seguir um currículo académico normal. Durante a parte da manhã, Michelle irá introduzir o modelo de Cognição Social, ao qual atribuiu o acrónimo "I LAUGH", demonstrando como as dificuldades no processamento dos factores sociais comprometem a capacidade do indivíduo para trabalhar inserido num grupo e centrar-se em tarefas académicas, levando-as até ao fim.
A capacidade de Aprendizagem Social não funciona num registo a preto e branco; cada pessoa apresenta um nível de competências sociais que lhe são intuitivas. A capacidade de "tomada de perspectiva" parece condicionar significativamente a capacidade do indivíduo para adquirir nova informação social. Durante o período da tarde, Michelle irá explorar o seu modelo explicativo do Espectro da Tomada de Perspectiva, bem como as diferentes formas de intervenção de acordo com o défice encontrado
Michelle Garcia Winner

Michelle Garcia Winner é terapeuta da fala, especializada no trabalho com pessoas que apresentam um défice na cognição social.
Para além de dirigir a sua clínica em San Jose, Califórnia, é ainda autora de inúmeros livros e oradora internacional, tendo sido distinguida, em 2008, com o "Congressional Special Recognition Award".
O seu objectivo é ajudar pais e educadores a compreenderem o pensamento social, e as competências com ele relacionadas, como parte integrante do sucesso dos alunos, quer em contexto académico, quer profissional ou comunitário.
www.socialthinking.com

OBJECTIVOS

- os participantes serão capazes de descrever a diferença entre Pensamento Social e competências sociais, e qual a sua importância;

- os participantes serão capazes de definir o acrónimo I LAUGH, e descrever estratégias de intervenção para cada um dos seus elementos;

- os participantes serão capazes de definir o termo "pensar com os olhos" e aplicá-lo a situações educacionais;

- os participantes serão capazes de explicar o que leva uma pessoa com défice na cognição social a fracassar na sala de aula;

- os participantes serão capazes de definir o termo "tomada de perspectiva";

- os participantes serão capazes de definir os 3 níveis de défice na Tomada de Perspectiva.
Inscrições
Profissionais
até 30 de Abril - 60€
a partir de 30 de Abril - 80€
Estudantes
até 30 de Abril - 40€
a partir de 30 de Abril - 60€
faça o download da ficha de inscrição em
http://www.fundacaorenascer.pt/noticias_detail.php?aID=221
Informações
Peça mais informações através dos telefones
21 7816090 / 91 9937388
ou por mail
geral@fundacaorenascer.pt

Benefícios Fiscais a Pessoas com Deficiência‏

As Finanças vão aceitar todos os atestados que comprovem a incapacidade dos contribuintes com deficiência permanente para efeitos dos benefícios fiscais em sede de IRS. A garantia foi dada ao Diário Económico pelo Ministério das Finanças, acabando com um desentendimento na interpretação da legislação existente entre o Ministério das Finanças e o Instituto Nacional de Reabilitação (INR). Em causa estava uma lei prevista no Orçamento do Estado para 2007 que obrigava os deficientes a comprovar um grau de incapacidade igual ou superior a 60 % mediante o atestado multiuso, criado em 1996. Foi com base nesta norma que o Fisco recusou, no ano passado, atestados anteriores à criação do multiuso, apesar de se tratarem de deficiências permanentes. A situação tornou-se mais penalizadora no ano passado, quando entrou em vigor uma nova Tabela de Incapacidades por Acidentes de Trabalho e Doenças Profissionais, que era mais restritiva do que a anterior (de 1993). A norma obrigava a que os contribuintes com deficiência - que no ano passado foram 103.668 - entregassem novos atestados, com a possibilidade de serem prejudicados nos seus benefícios fiscais, devido à nova tabela de incapacidades, em muitos casos, menos vantajosa do que a anterior. No entanto, o INR defendeu, desde o início, que os atestados passados ao abrigo do diploma anterior a 1996 deveriam ser considerados válidos pelas Finanças. Da mesma forma, os atestados passados com base na Tabela de Incapacidades anteriores a 2008 deveriam também ser considerados válidos. O INR explica que quando há "um grau de incapacidade permanente avaliado de acordo com a Tabela Nacional de Incapacidades em vigor na altura da manifestação da deficiência, o documento apresentado para prova da deficiência para efeitos de IRS, deve ser considerado válido". Isto apesar "do diploma que lhe deu origem". Em Novembro do ano passado, as Finanças deram o primeiro passo atrás ao aceitarem os atestados de incapacidade emitidos segundo as leis em vigor à data da verificação da deficiência, mas apenas para a comprovação das situações relativas aos anos de 2004 a 2007.

Na informação emitida, as Finanças informavam que "não se pode aceitar como princípio a validade automática dos documentos que certificam as deficiências" quando as regras, segundo as quais os atestados foram emitidos, são substituídas por outras "que são susceptíveis de interferir com a medida da invalidez permanente". No entanto, "a título excepcional", o organismo tutelado por Teixeira dos Santos decidiu permitir a entrega dos atestados anteriores a 1996, deixando, contudo, em aberto face aos rendimentos relativos a 2008. Agora, em resposta ao Diário Económico, o Ministério das Finanças esclarece que todos os atestados serão aceites. •

Regime fiscal dos deficientes

Contribuintes com um grau de deficiência superior a 60% ficam isentos de IRS no que toca a 10% do seu rendimento.

Podem ainda deduzir quatro salários mínimos nacionais (1800 euros) à respectiva colecta.

São dedutíveis 30% das despesas efectuadas com a educação e reabilitação; e 25% dos custos com prémios de seguros de vida que garantam exclusivamente os riscos de morte, invalidez ou reforma por velhice; e 25% dos encargos com lares e residências autónomas.

2009/4/7 mtpd bfiscais mtpd.bfiscais@gmail.com

quarta-feira, 15 de abril de 2009

O melhor co-piloto...


Num destes fins de semana, assim do nada, liga-nos o tio V*****, se queremos ir ao Minho, que morreu a mãe de um amigo dele, e não lhe apetece muito ir sozinho.
Bem assim de repente, entre alguma indecisão, lá dissemos que sim, e numa grande azáfama lá nos prepara-mos para fazer companhia ao tio nessa viagem.
Saímos de casa ás 17 h, par ir jantar a belíssima vila de Ponte de Lima.
Ao sair de casa o Bruno diz logo ao tio, vais por aqui, por ali e é muito mais rápido vais ver!...
Então aqui vai o plano dado pelo Bruno: entras na A8 para Leiria, depois continuas pela A17 até Aveiro, a seguir apanhas a A25 que é a antiga IP5, e sais logo na saída para A1, continuas vais até ao Porto e na VCI, vira-se para a A3.
E com estas indicações, fizemos o trajecto em pouco mais de duas horas de viagem.
Claro que também se deve a condução do tio muito controlada:).
Mas lá que foi muito melhor foi quase sempre auto- estrada, e muito menos movimentada que a habitual A1 que costumávamos fazer, quando rumávamos a estas paragens.
Já dá para ir-mos comer mais uns arroz de sarrabulho...

domingo, 12 de abril de 2009

Decepção...desilusão...

video

Quando se gosta realmente de algo ou de alguém e não há correspondência ficamos decepcionados. Nem um portador de Síndrome de Asperger fica imune às desilusões. Às vezes pode-se pensar que são ausentes de emoções, mas não. Podem é ser contraditórias, ou não...Na TV, não liga muito aos jogos do clube, mas no estádio sofre como um adepto ferrenho.
No caso do Bruno, vibra e sofre com o seu clube de coração ou de "imposição", que lhe foi" injectado" de bebé, e como há quem diga quem nasce Benfiquista, morre Benfiquista.
Ele ontem sofreu uma desilusão, todos os jogos que ele tem acompanhado, nas bancadas da "catedral" o seu clube ganha, mas ontem, a sua presença no estádio não surtiu o efeito do décimo terceiro jogador.
Quando lhe liguei, após o término do jogo, manifestou todo o seu desalento...
-Já nem dou sorte ao Benfica - dizia-me, vou deixar de ser sócio.
-Pois claro filho, acho bem!..Esse bilhete grátis sai caro no final do ano, dava direito a um bilhete de ouro.
- Pronto filho agora já passou, dorme bem, disse-lhe via telemóvel:
- Estou a pensar na derrota do Benfica, respondeu.
-A que horas é o expresso para a mãe te ir buscar e para vires almoçar connosco.
- Estou a pensar na derrota do Benfica...
- Queres ficar na casa dos tios até 2ª. feira?
- Estou a pensar na derrota do Benfica...
Tive de desligar senão a derrota ia continuar...
Como depois do fim do jogo já não havia transportes para regressar, teve de pernoitar na casa da tia.

Hoje, de regresso a casa, ainda a sair do expresso.
- Disse logo ao pai que estava no terminal á espera dele, o Benfica foi roubado,em alto e bom som... e quis aqui colocar a prova do lance.

sexta-feira, 10 de abril de 2009

Páscoa Feliz


Páscoa no cristianismo
Segundo o Novo Testamento, Cristo é o sacrifício da Páscoa. Isso pode ser visto como uma profecia de São João Baptista, no Evangelho de São João: "Eis o Cordeiro de Deus, Aquele que tira o pecado do mundo" (João, 1:29) e uma constatação de São Paulo "Purificai-vos do velho fermento, para que sejais massa nova, porque sois pães ázmos, porquanto Cristo, nossa Páscoa, foi imolado." (1Co 5:7). Na missa, os católicos repetem a frase de João Baptista.
Jesus Cristo, desse modo, é tido pelos cristãos como o Cordeiro de Deus que foi imolado para salvação e libertação de todos do pecado. Para isso Deus teria designado sua morte exatamente no dia da Páscoa judaica para criar o paralelo entre a aliança antiga, no sangue do cordeiro imolado, e a nova aliança, no sangue do próprio Jesus imolado.
A sequência da liturgia para todos os domingos do Ano Cristão está na dependência da Páscoa, exceto os domingos do Advento, que são sempre quatro Domingos antes do Natal, não importando se cai no Domingo ou em outro dia da semana.

Uma Santa Páscoa para todos

quinta-feira, 9 de abril de 2009

Discurso do Zé Povinho




Este discurso, foi executado por alguns dos formandos do CAO.
Cada um deu o seu melhor, não é fácil por em sintonia, todas estas pessoas, com patologias várias. Parabéns ás formadoras, que também intervêm...
O meu rapaz é o que lê o texto.
Este vídeo foi retirado, para segurança dos intervenientes.

Veja aqui a história da representação do Zé Povinho
http://www.citi.pt/cultura/artes_plasticas/caricatura/bordalo_pinheiro/ze_povo.html

A minha leitura, do livro....


" Autista....Quem?... Eu". A maior divulgação, feita a este livro, fez com que o relesse, agora numa perspectiva mais analítica e comparativa, foquei-me mais na vertente do autismo, do que na primeira leitura que me envolvi no romance.
Continuo a achar o livro um romance muito bem escrito onde a autora a quem dou os meus sinceros parabéns, por de uma forma simples e apaixonada, nos levar ao mundo fascinante do autismo, numa mistura singular da realidade com a ficção.

Deixo aqui as minhas impressões e comparações ,numa analise sucinta tanto quanto me foi possível.

Afinidades do meu filho com o personagem "Xico" "Quico"- Estereotipias, bom ouvido musical, em relação aos perigos é o oposto, vê perigo em tudo, não percebe os risos ou choros, mas entra na risada, o choro manifesta na dor física, raramente emocional. A relação social com o exterior é um pouco vazia, apesar de gostar de sair a rua e até estar no meio da multidão não se sabe relacionar. E se por acaso alguém o cumprimentar, umas vezes nem responde, tenho de o alertar, ou então responde com a frase que bem da outra pessoa , muitas vezes sem sequer virar a cara para o lado. Alterações de percursos ou rotinas tem de ser explicados antes , para não provocarem ansiedade. Se por algum motivo não avisamos a mudança de percurso fica aflito e diz:- Ah, não vamos por ali, (o do costume).
A relação do meu com o encarnado é muito boa, já com o azul não posso dizer o mesmo.
A memória é também uma característica muito vincada- Obsessões-Ausência de malícia.
O meu filho não trocaria o telemóvel por uma caixa de formigas, mas trocaria ou daria tudo por nada(esta ultima em relação ao personagem André,que tem SA).

As minhas afinidades com a personagem "Gui", o amor e atenção são ingredientes principais. Ainda não consegui em todas as situações repetitivas usar o interruptor que desliga. Medo e insegurança de que ,de algum modo pudesse ser abusado ,abordagem á sexualidade mesmo sendo um assunto natural, é complicado de explicar.
Ainda a explicação muito sensata sobre os génios autistas, concordo com a perspectiva apresentada no livro, é também a minha, que não querendo retirar os sonhos a ninguém eu também acreditei nela e era apaziguador, sentir que o meu filho iria ter um futuro promissor, podia ser um génio, (como nos exemplos por todos nós conhecidos).
Mas, não, não é génio. É apenas genial...

Entre outras ,estas foram as frases do livro que mais me "tocaram"
-"Um autista é tão puro que quem com ele convive, forçosamente se transforma numa pessoa melhor".
-"Somos apenas pais diferentes que crescem na medida das necessidades dos nossos filhos".
-"Distinguir uma criança mal criada de um autista".
-"Passei um tractor por cima de tudo o que foi mau"
-"Incapacidade inata para formar contacto afectivo normal biologicamente programado, com as pessoas"

Atrevo-me a dizer todos diferentes, mas iguais, nalgumas particularidades...
Nota- Espero que a autora não fique melindrada, com esta minha analise e atrevimento,de até fazer termos comparativos com a minha própria experiência.

Aproveito para informar que a 2º. edição estará, á venda a partir de 15 de Abril, recomendo a sua leitura

terça-feira, 7 de abril de 2009

Meia gota Milagrosa!...


Esta manhã o Bruno, ao acordar, queixou-se que estava muito "atacado"...
Quer dizer muito constipado...
O pólen que se fazia sentir ontem em Lisboa entrava para dentro da viatura, qual " algodão flutuando pelos ares", despoletou esta reacção alérgica.

Andou todo o dia irritado, a pressionar a narina, carregando na narina esquerda para desobstruir a direita que está sempre entupida, diz ele.
Há pouco ao chegar a casa ,"atacadinho", não é que vai logo para o quarto e coloca vibrocil na narina.
E vem dizer-me:

-Mãe, estou muito melhor, coloquei meia gota de vibrocil.
-Meia gota filho?!... Como é que se põe meia gota.
-Sim mãe foi apenas um "niquinho" e exemplifica com os dedos.
É, ou não é?...
Uma maravilha esta explicação da meia gota, não pude deixar de sorrir... )

sexta-feira, 3 de abril de 2009

Sentimentos


Hoje a minha filhota confrontou-me, com uma realidade.
Na qual eu já pensei milhões de vezes...
Quando estava a escrever, para todos os que vivem neste mundo fantástico (referia-me á diferença ao autismo á pureza)....
-Oh!... Mãe mas tu não preferias que o Bruno não fosse "deficiente", que não te desse preocupações.
-Não filha. Tu não tens nenhuma patologia definida, e também me dás preocupações, tantas ou até mais que o teu irmão....
Mas a minha balança não está equilibrada, se no presente ele é o ser mais maravilhoso e indescritível, porque sentimento não dá para descrever com precisão. É uma espécie de cordão umbilical inquebrável, o qual nunca poderei quebrar.
É uma dependência que aprendi a amar.
Já com ela espero que solte as amarras e viva a liberdade com consciência, sinto-a a fugir por entre os dedos...
Ambos me preocupam ela mais no presente , ele mais no futuro...

quarta-feira, 1 de abril de 2009

Dia da não mentira


Hoje é um dia para os que não são Asperger/autistas
O meu filho logo de manhã referia a data, o registo de que era o dia das mentiras que já está há muito calendarizada por ele.
Manifestou a sua enorme dificuldade em percebê-la e vai ter muita dificuldade em detectá-la, porque nunca conseguirá ler os segundos sentidos, a menos que sejam demasiado evidentes, mesmo assim ele irá sempre duvidar e achar que é verdade, porque no mundo dele este dia não existe... Só mesmo na estatística e no calendário.